O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Holanda bate Geórgia valorosa

Holanda 2-0 Geórgia
A final deste ano será a repetição da anterior, depois de a Holanda ter quebrado a resistência da Geórgia com dois golos nos últimos minutos.

Queensy Menig (à esquerda), da Holanda, é perseguido por Giorgi Gorozia, da Geórgia
Queensy Menig (à esquerda), da Holanda, é perseguido por Giorgi Gorozia, da Geórgia ©Sportsfile

A Holanda bateu uma Geórgia valorosa, reduzida a dez jogadores, por 2-0, agendando a segunda final consecutiva do Campeonato da Europa Sub-17 frente à Alemanha.

A Geórgia começou com optimismo, mas sofreu um enorme revés quando Nika Tchanturia viu dois cartões amarelos no espaço de um minuto, deixando a equipa de Vasil Maisuradze reduzida a dez jogadores com 64 minutos por jogar. A defesa georgiana aguentou até ao 79º minuto, mas golos de Jorrit Hendrix e Thom Haye decidiram o vencedor.

Algumas boas combinações permitiram à Geórgia ganhar ascendente nos minutos iniciais, com a Holanda algo insegura acerca do seu plano de jogo. Mas dois cartões amarelos exibidos ao capitão Tchanturia, num minuto, mudaram tudo.

Colocada a incerteza de parte, a Holanda manteve a posse da bola e obrigou a Geórgia a trabalho árduo, explanando bem o jogo e procurando pacientemente por uma brecha. A táctica podia ser a mais adequada, mas só surtiu efeito uma vez antes do intervalo. Um passe para as costas da defensiva georgiana permitiu a arrancada de Queensy Menig, que depois cruzou atrasado para o remate forte de Joris Voest. Aleksandre Adamia desviou a bola para longe.

Depois do recomeço, rapidamente Adamia voltou a mostrar atributos. Primeiro, em lance de um-para-um, bloqueou o remate de Rai Vloet com as pernas, depois voou para a direita para deter o remate ao ângulo de Jeroen Lumu.

Mas a Geórgia reorganizou-se e, mais uma vez, as suas duas linhas de quatro elementos, muito próximas uma da outra, não deram espaço – e oportunidades – à Holanda. No entanto, a jovem selecção "laranja" acordou quando o tempo se escoava, com Nathan Ake, num remate acrobático, a acertar na barra, antes de fazer a assistência para o golo inaugural.

Este surgiu tarde, mas o cruzamento de Ake para o segundo poste foi perfeito, e Hendrix finalizou de cabeça com classe. Com a Geórgia a pressionar em busca do empate, Tonny Trindade de Vilhena desmarcou Haye, que por sua vez endereçou a Adamia para este apontar o segundo golo e garantir a repetição da final do ano passado, que a equipa de Albert Stuivenberg ganhou por 5-2.