O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Freund feliz, Frank orgulhoso

"A sorte do jogo esteve do nosso lado", reconheceu Steffen Freund após o apuramento da Alemanha para a final do Europeu de Sub-17, graças a um triunfo sobre a Dinamarca, que sai do torneio de cabeça erguida.

Os jovens alemães festejam a vitória sobre a Dinamarca, após o apito final
Os jovens alemães festejam a vitória sobre a Dinamarca, após o apito final ©Sportsfile

Steffen Freund e Thomas Frank concordaram que foram os pequenos pormenores a fazer a diferença no triunfo por 2-0 da Alemanha sobre a Dinamarca, que garantiu a passagem da selecção germânica à final do Campeonato da Europa de Sub-17. Desfalcada pela ausência de quatro jogadores, castigados, a Alemanha levou a melhor em Novi Sad, graças a golos felizes de Kaan Ayhan e Nils Quaschner, e Freund fez questão de elogiar a capacidade da sua equipa em responder às contrariedades, enquanto Frank aponta já baterias para o Campeonato do Mundo de Sub-17, no próximo mês, no México.

Steffen Freund, seleccionador da Alemanha
Estou muito feliz com o triunfo, mas tenho de deixar uma palavra de apreço à Dinamarca, que fez uma grande primeira parte. Eles têm uma excelente equipa, mas felizmente para nós não conseguiram concretizar as oportunidades que criaram no primeiro tempo. No segundo tempo conseguimos chegar primeiro ao golo e, num jogo entre duas boas equipas, marcar primeiro faz diferença. Tivemos a felicidade do jogo, esta tarde. É fantástico saber que podemos contar com 19 jogadores e não apenas com 11. Fiz questão de dizer aos meus jogadores: "Ofereçam aos castigados mais uma oportunidade e vençam a Dinamarca". Mostrámos que estamos preparados para situações complicadas como esta.

Thomas Frank, seleccionador da Dinamarca
Há dois lados da história. Por um lado estou bastante desiludido, por outro tenho de estar orgulhoso pelo que a Dinamarca fez esta tarde. Fomos a melhor equipa e dominámos o encontro. Mas, quando se joga umas meias-finais, são as sempre as pequenas coisas a determinar o resultado. E essas pequenas coisas não correram bem para o nosso lado. Não querendo ofender ninguém, continuo a achar que fomos a melhor equipa neste torneio, mas desejo felicidades à Alemanha. Agora acredito que temos hipóteses de conquistar o Campeonato do Mundo! Esta prestação conferiu-nos confiança e não tememos ninguém.