Regresso ao Jogo: a UEFA está a preparar-se para o regresso seguro das suas competições de elite.
Saiba mais >
 

Heróis de culto do EURO: Traianos Dellas, 2004

Apelidado de "Colosso de Rodes" pelo seleccionador Otto Rehhagel, o defesa Traianos Dellas personificou o espírito da Grécia, vencedora do EURO 2004.

Traianos Dellas com o troféu após a vitória da Grécia na final do EURO 2004
Traianos Dellas com o troféu após a vitória da Grécia na final do EURO 2004 ©Getty Images

"Aguentámos a pressão no tempo regulamentar e, quando começou o prolongamento, pressionámos no ataque", escreveu o defesa Traianos Dellas sobre a meia-final, num diário do UEFA EURO 2004 publicado por um jornal grego. "Conseguíamos ver que os nossos adversários estavam muito cansados. Ganhámos um canto. Olhei para o marcador que dizia 14:36 – uma situação de 'agora ou nunca'. E marcámos. Eu marquei. Nunca me tinha sentido assim."

Aquele cabeceamento no prolongamento ante a República Checa – o último "golo de prata" na História dos Campeonatos da Europa da UEFA – colocou a Grécia na final, onde acabaria por ganhar a Portugal pela segunda vez na competição. Foi, talvez, o resultado mais surpreendente e sempre da prova.

A euforia de Otto Rehhagel
A euforia de Otto Rehhagel©Getty Images

Pilar defensivo
Na altura do UEFA EURO 2004 Dellas jogava – embora sem muita regularidade – na Roma. Rehhagel considerava-o essencial na estratégia defensiva da Grécia e estava determinado em aumentar-lhe a confiança. Numa conversa com a equipa chamou-lhe "Colosso de Rodes".

A Grécia começou o torneio de forma impressionante e foi-se fortalecendo de jogo para jogo. E muito pode agradecer a Dellas. Aliás, a equipa não sofreu qualquer golo nos três jogos depois da fase de grupos, apesar de ter defrontado nomes como Zinédine Zidane, Thierry Henry, David Trézeguet, Jan Koller, Milan Baroš, Luís Figo e Cristiano Ronaldo.

Aproveitar o balanceamento
Ao chegar a Portugal no início de Junho, Dellas admitiu algum embaraço pelo que viu nas laterais do autocarro grego. "Havia um lema escrito: 'A Grécia antiga tinha 12 deuses; a Grécia moderna tem 11.' Senti embaraço em relação a isso. Pensei que era exagerado, que criava expectativas excessivas."

Recorde a vitória da Grécia no EURO 2004
Recorde a vitória da Grécia no EURO 2004

Mas os helénicos venceram logo o encontro de abertura com Portugal, por 2-1, depois de alguém da comitiva ter encomendado batatas fritas para a equipa antes do jogo. Saudável ou não, o grupo acabou por comer do mesmo antes de cada jogo rumo à glória.

Conto de fadas
Ao nível de clubes a carreira de Dellas teve menos brilho. Após brilhar pelo clube da sua terra, o Aris Thessaloniki, jogou no estrangeiro, em Inglaterra, Itália e Chipre. Regressou à Grécia entre essas experiências para representar o AEK de Atenas – clube que, mais tarde, viria a treinar. Somou 53 internacionalizações, apesar de uma série de lesões ter afectado o ocaso da carreira, o que o levou à retirada em 2012. Ainda assim, no meio de algumas desilusões, Dellas tem sempre 2004 para recordar.

"Vou recordar para sempre esses 40 dias com a selecção grega no Verão de 2004 como a mais bela história da minha carreira", escreveu. "E vou contá-la aos meus filhos como história para adormecer".

Conteúdos relacionados

Topo