William Carvalho: nascido para dominar

Nuno Tavares, repórter do UEFA.com que acompanha Portugal no Europeu de Sub-21, analisa os pontos fortes de William Carvalho e até onde poderá chegar.

William Carvalho em acção no Mundial de 2014, frente ao Gana
©AFP/Getty Images

"Ele é um jogador fantástico e apresenta uma capacidade de passe muito boa para alguém que joga na posição 6." Foram estas as palavras utilizadas pelo médio do Club Atlético de Madrid, Tiago, para descrever o seu colega de selecção, William Carvalho, logo após a derrota, por 2-1, frente à França, num amigável que teve lugar em Outubro.

Tendo em conta que já é capaz de causar semelhante impressão quando ao serviço da selecção principal de Portugal, o que será que podemos esperar de William Carvalho no Campeonato da Europa de Sub-21 de 2015? Iniciar a campanha no Grupo B esta quinta-feira, contra a Inglaterra, em Uherske Hradiste, pode não constituir propriamente o mais acessível dos arranques, mas a missão dos comandados de Rui Jorge sofreu um forte impulso quando o centrocampista do Sporting recebeu luz verde do seleccionador Fernando Santos para marcar presença na prova que se realiza na República Checa.

O que o torna tão especial?
Apontado como uma das mais promissoras estrelas emergentes do futebol português, William fez a sua estreia profissional pelo Sporting quando tinha apenas 18 anos de idade. Após dois empréstimos bem sucedidos, tornou-se um dos jogadores mais influentes nos "leões", ao mesmo tempo que merecia a confiança do então seleccionador português, Paulo Bento. "É um miúdo inteligente e taticamente competente, à parte da qualidade técnica que tem", disse Paulo Bento, que utilizou mesmo William no Mundial de 2014. Maturidade, inteligência e experiência ao mais alto nível...

William Carvalho festeja a obtenção de um golo com a camisola do Sporting
William Carvalho festeja a obtenção de um golo com a camisola do Sporting©AFP/Getty Images

Qual é a sua real importância na equipa de Portugal?
Nomes como Bernardo Silva, Carlos Mané, Ivan Cavaleiro, Rafa Silva e Gonçalo Paciência oferecem uma panóplia de solucões ofensivas, mas Portugal também irá precisar de um rochedo no centro do terreno, de forma a estabilizar a equipa quando esta estiver sob pressão. William acrescenta isso mesmo ao jogo português, enchendo o relvado num estilo que faz lembrar Patrick Vieira quando este brilhava no Arsenal.

Sempre posicionado de forma perfeita, é exímio na forma como antecipa a movimentação dos adversários, atributo esse que lhe permite frequentemente roubar o esférico ao portador da bola e lançar de imediato rápidos contra-ataques. Abençoado com um físico impressionante, o atleta de 23 anos, nascido em Angola, poderá mesmo ser a chave para bater a formação orientada por Gareth Southgate, especialmente se conseguir dominar o meio-campo da mesma forma que o fez em tantos jogos da última edição da Liga portuguesa.

Até onde pode chegar?
Alegadamente já seguido por alguns dos maiores clubes da Europa, William tem tudo para triunfar ao mais alto nível, ainda para mais tendo em conta que ocupa uma das posições de campo mais importantes no futebol moderno. Espantosas são igualmente as suas insaciáveis motivação e ambição, em nada beliscadas pelo facto de ter passado da selecção principal para os Sub-21. "Disputei 52 jogos esta temporada, mas até podiam ter sido 100 que isso não faria qualquer diferença", disse. "Nunca podemos sentir cansaço quando se está a representar o nosso país. Estou aqui de alma e coração".

Topo