O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Espanhol com fé no "pequeno Buda"

De la Peña espera que a sua experiência ajude a acalmar os nervos numa altura em que o Espanhol se prepara para enfrentar "a equipa em melhor forma na Europa".

Ivan de la Peña nasceu no ponto mais alto de Espanha, Santander, vive na "zona alta" de Barcelona - histórica e geograficamente, a parte mais chique da cidade - e há dez anos que se encontra no topo do futebol europeu, ou perto dele.

Experiência em finais
Dado como apto, o médio será o jogador mais experiente a pisar o relvado de Hampden Park na próxima quarta-feira, quer entre os atletas do RCD Espanyol, quer entre os do Sevilla FC. Tal como o seu treinador, Ernesto Valverde, De la Peña, hoje com 31 anos, vestiu a camisola de Espanhol e FC Barcelona, se bem que a sua - por vezes frustrante - carreira o tenha levado a passar pela S.S. Lazio e pelo Olympique de Marseille.

"Pequeno Buda"
O "pequeno Buda" conquistou a Taça UEFA em 1997 e 1999, a Taça de Espanha em 1997, 1998 e 2006, e venceu ainda uma SuperTaça espanhola e uma SuperTaça europeia. Disputou também a final do Campeonato da Europa de Sub-21 de 1996, que perdeu nos penalties perante uma Itália que tinha em Alessandro Nesta a sua maior fonte de inspiração. Nalgumas dessas finais foi titular, noutras era apenas um membro pouco utilizado do plantel, mas de todas as ocasiões retirou experiência e saber, que poderão agora ser vitais para ajudar o Espanhol a ultrapassar o seu adversário, favorito para conquistar o troféu esta semana, em Glasgow.

"Momentos de ansiedade"
"É natural que quando chegamos à nossa primeira final, haja sempre muitos nervos", confessou ao uefa.com, relembrando o dia 14 de Maio de 1997, quando ele e os seus colegas do Barcelona bateram o Paris Saint-Germain FC em Roterdão, graças a um penalty apontado por Ronaldo. "Mas ao longo das nossas carreiras apercebemo-nos que antes de qualquer grande jogo, seja uma semifinal, uma final, ou um jogo decisivo do campeonato, vamos sempre sentir a adrenalina a subir à medida que se vai aproximando o dia e a hora do pontapé de saída. O mais notável em relação a esta equipa do Espanhol é que atingiu duas importantes finais em duas temporadas consecutivas, o que prova a toda a gente, incluindo a nós mesmos, que somos uma equipa competitiva ao mais alto nível".

Força do Sevilha
Reconhecido como um dos mais criativos e inteligentes jogadores espanhóis com a bola nos pés, De la Peña não tem problemas em concordar com a opinião geral em relação à qualidade do futebol praticado pelos seus adversários de quarta-feira, mas apressa-se a desfazer qualquer ideia de que a formação orientada por Juande Ramos vá privilegiar em Hampden o bom futebol em vez da obtenção de um bom resultado. "O Sevilha gosta de jogar bem, isso é verdade", admitiu. "Mas também pressiona muito os seus adversários, é muito agressivo na recuperação da bola e na forma como a controla - trata-se de uma formação extremamente competitiva".

Benefícios da experiência
"O facto de ainda estar a lutar por três competições nesta altura da época demonstra que o Sevilha é, talvez, a equipa em melhor forma na Europa", acrescentou. "Vai ser muito difícil vencer, tal como foi complicado levar o Espanhol até à sua segunda final da Taça UEFA, e queremos aproveitar ao máximo esta oportunidade. O Sevilha é favorito, mas já aprendemos que nestes jogos tudo pode acontecer".