Final Espanha-Suécia: Tudo o que precisa saber

Fique a saber tudo sobre a final de segunda-feira do Europeu Feminino de Sub-19: o que pensam os treinadores, como as equipas chegaram até lá, o palmarés em finais.

A capitão da Suécia, Nathalie Björn, e a sua homóloga espanhola, Nahikari García, com o troféu
A capitão da Suécia, Nathalie Björn, e a sua homóloga espanhola, Nahikari García, com o troféu ©Sportsfile

• Espanha e Suécia ambicionam conquistar o segundo título europeu feminino de Sub-19
• Os dois países mediram forças na final de 2012, na Turquia, com a Suécia a vencer no prolongamento
• A capitã Nathalie Björn apresenta a selecção sueca
• A capitã de Espanha, Sandra Hernández, apresenta as suas colegas

©Sportsfile

Declarações 
 Jorge Vilda, seleccionador de Espanha: O futebol tem o hábito de nos dar segundas oportunidades e considero que chegou a altura de termos a desforra de 2012. Falo todos os dias com o meu pai [Ángel, que era o seleccionador há três anos]. Não está com grande vontade de me dar conselhos, mas ficará muito satisfeito se ganharmos. Esta é, muito provavelmente, a melhor equipa que tivemos nos últimos anos e estão todas muito empenhadas em conquistar o título, depois de já termos estado tão perto.

Estes jogos são decididos nos mais ínfimos detalhes. Estivemos a recuperar as jogadoras de forma a garantir que estão todas a 100 por cento depois da meia-final com a França. Amanhã não queremos falhar nesses detalhes. Hoje não treinámos, o trabalho já está feito. Agora só temos de preparar mentalmente a equipa.

©Sportsfile

• Calle Barrling, seleccionador da Suécia:
Melhorámos o nosso jogo atacante depois do encontro com a Alemanha, mas também recordámos a importância de defender, pois houve um período de 20 minutos na segunda parte em que não foi a Suécia que esteve em campo. Penso que não vão existir tantas oportunidades na final. Antes do Europeu apontei a Espanha como um dos favoritos ao título, por isso não estou surpreendido que seja o nosso adversário.

A minha equipa é semelhante à de 2012 em muitos aspectos. Este grupo demonstra uma paixão ainda maior pelo jogo, querem participar, mas há três anos éramos um pouco mais fortes nos duelos. Todas as equipas são diferentes, mas ambas jogam com um estilo sueco. É importante termos pernas frescas, não apenas durante 45 minutos, mas ao longo de 90 ou de 120, se for necessário. É fundamental no final de uma competição.

Sabia que?
• Nove jogadoras da selecção espanhola defrontaram a Alemanha na final do EURO de Sub-19 de 2014 sob o comando de Vilda.
• A selecção de Espanha que foi derrotada pela Suécia de Barrling em 2012 era treinada pelo pai de Vilda, Ángel.
• Emma Holmgren, a guarda-redes da Suécia, marcou a grande penalidade decisiva no triunfo sobre a Espanha de Vilda nas meias-finais do Europeu Feminino de Sub-17 em 2013.
• A sueca Stina Blackstenius marcou 18 golos nesta campanha, tendo já estabelecido um recorde da prova.
• Blackstenius marcou mais da metade dos 33 golos da Suécia na presente campanha. Os 44 golos de Espanha foram apontados por 11 jogadoras.

Espanha comemora o triunfo no desempate
Espanha comemora o triunfo no desempate©Sportsfile

Carreira até agora 
• Espanha As espanholas assinalaram as suas intenções no primeiro desafio, mas o triunfo por 4-0 sobre a Noruega não conta toda a história do jogo, já que ambas as equipas fizeram o mesmo número de remates. A Inglaterra chegou a assustar a equipa de Vilda, mas o triunfo por 3-1 praticamente garantiu um lugar nas meias-finais.

As falhas na concretização foram fatais para Espanha no duelo com a Alemanha, com a derrota tangencial a relegar a equipa para o segundo lugar no grupo, voltando a estar perdulária nas meias-finais. Mas no fim não importou: após cinco grandes penalidades bem marcadas, a francesa Marie-Charlotte Léger rematou por alto e a Espanha seguiu em frente.

A Suécia depois de levara melhor no desempate
A Suécia depois de levara melhor no desempate©IFA

• Suécia: As suecas começaram com um triunfo fácil por 3-0 sobre Israel, mas o duelo com a Dinamarca foi bem mais equilibrado, com apenas dois remates à baliza, ambos da Suécia. Filippa Angeldal converteu um deles, numa grande penalidade que puniu uma falta sobre Blackstenius.

Com o apuramento garantido, Barrling fez rotação das jogadoras no último desafio da fase de grupos, dado tempo de jogo na fase final a todas as convocadas, e a França aproveitou para vencer por 1-0. O melhor ainda estava para vir. Nas meias-finais a Suécia esteve por duas vezes em desvantagem frente à Alemanha, mas conseguiu empatar 3-3 e forçar o prolongamento, levando a melhor por 4-2 no desempate por grandes penalidades.

Finais anteriores
• 2014: Espanha 0-1 Holanda (Miedema 21), Oslo
• 2012: Suécia 1-0 Espanha (Diaz 108), Antalya
• 2009: Suécia 0-2 Inglaterra (Duggan 33, Nobbs 37), Borisov
• 2004: Alemaha 1-2 Espanha (Krahn 45; Boho 28, Iturregui 53), Vantaa

Confrontos directos (incluindo qualificação): Dois triunfos de Espanha, dois triunfos da Suécia, um empate

Principais jogadoras
Espanha: Marta Turmo (defesa, San Gabriel), Alba Redondo (centrocampista, Albacete), Nahikari García (atacante, Real Sociedad)
Suécia: Nathalie Björn (defesa, AIK), Tove Almqvist (centrocampista, Linköping), Stina Blackstenius (atacante, Linköping)

Como acompanhar a final
O UEFA.com terá aqui todas as actualizações. O jogo vai ser transmitido em directo no Eurosport, mas se estiver em Israel poderá assistir à final no Estádio Municipal de Netanya. Os bilhetes custam apenas 10ILS (2,50 euros) e estão disponíveis no local ou aqui ("site" em hebraico).

Topo