O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Quartos-de-final da Women's Champions League: O que esperar

Ha quatro embates aliciantes a partir de 22 de Março: olhamos para o que aí vem no arranque da fase a eliminar.

UEFA via Getty Images

A UEFA Women's Champions League regressa a 22 de Março, altura em que os quartos-de-final retomam a caminhada até Turim.

Prevê-se uma assistência recorde quando as campeãs do Barcelona defrontarem o Real Madrid num clássico espanhol, enquanto o Lyon, sete vezes vencedor da competiçãio, enfrenta a Juventus, anfitriã da final, o Arsenal mede forças com o também antigo campeão Wolfsburgo e os dois semifinalistas vencidos da época passada, Bayern e Paris, tentam chegar novamente chegar a essa fase.

Caminho até Turim

Quartos-de-final

22 e 30 de Março
Bayern - Paris
Real Madrid - Barcelona
23 e 31 de Março
Juventus - Lyon
Arsenal - Wolfsburgo 

Meias-finais (23/24 de Abril e 30 de Abril/1 de Maio)

1: Real Madrid / Barcelona - Arsenal / Wolfsburgo
2: Juventus / Lyon - Bayern / Paris

Final (21 de Maio, Estádio da Juventus, Turim)

Vencedor da meia-final 1 - Vencedor da meia-final 2

Confronto famoso

O Real Madrid - Barcelona pode não ter a história ou a envolvência do confronto masculino, uma vez que o clube da capital só entrou no futebol feminino em 2020 após absorver o CD Tacón. Apesar de ter terminado a época de estreia em segundo lugar, o Real Madrid ficou a 25 pontos das Blaugrana, vencedoras de maneira confortável dos três clássicos realizados entre as duas equipas. No entanto, a boa campanha do Real Madrid na temporada em que debuta na Europa, eliminando o Manchester City para chegar à fase de grupos e qualificando-se sem problemas para os oitavos-de-final, deixa antever algumas hipóteses diante do detentor do troféu.

A segunda mão será o primeiro jogo do Barcelona perante os seus adeptos em Camp Nou, onde já actuou à porta fechada, contra o rival citadino do Espanhol, em Janeiro de 2021. O “Clásico” está de tal forma a gerar expectativa em Espanha que a lotação do estádio esgotou poucos dias após os bilhetes terem sido postos à venda, prevendo-se por isso que seja batido o recorde mundial de adeptos presentes nas bancadas para ver um jogo de clube feminino. Os adeptos da casa esperam uma repetição de 13 de Março, quando o Barcelona venceu o Real Madrid por 5-0 diante de 5430 espectadores, a maior assistência num jogo oficial realizado no Estádio Johan Cruyff, com o resultado a garantir a revalidação do título espanhol.

Duelo de recordistas

Com uma equipa fustigada por lesões, o Wolfsburgo parecia desanimado após a derrota em casa na Jornada 4 frente à Juventus, mas acabou por ficar no primeiro lugar do Grupo A graças à vitória por 4-0 sobre o Chelsea no seu último jogo, resultado que também eliminou o finalista vencido de 2021. O desfecho fez o Wolfsburgo chegar ao recorde de dez presenças consecutivas nos quartos-de-final e marcar encontro com outra equipa que fixou também um novo máximo para esta: os Gunners são o primeiro clube a disputar 14 vezes os quartos-de-final. Além de contar no seu plantel com Jill Roord e Dominique Janssen, antigas jogadoras do Arsenal, o Wolfsburgo não é propriamente um clube estranho a visitar Londres: não só conquistou o primeiro dos seus dois títulos em Stamford Bridge, em 2013, como os dois encontros da fase de grupos com o Chelsea fizeram deste o duelo com jogos, dez, nesta competição. As alemãs também ganharam no terreno do Arsenal, por 2-0, nas meias-finais de 2012/13, a caminho de um triunfo total por 4-1 e da final em Londres. Quanto às inglesas, tiveram duas derrotas gordas com o Barcelona, vencedor do grupo, mas o triunfo por 4-0 sobre o Hoffenheim foi determinante para seguir em frente.

Ambos os clubes sabem que podem melhorar depois de exibições com altos e baixos na fase de grupos, mas cada um tem as armas para tornar esta eliminatória emocionante, com a melhor marcadora da competição, Tabea Wassmuth, pelo Wolfsburgo, e Vivianne Miedema, possivelmente ao lado da nova contratação Stina Blackstenius, pelo Arsenal..

Nova potência contra histórico

A Juventus surpreendeu na fase de grupos ao terminar à frente do Chelsea e tirar quatro pontos ao Wolfsburg, mantendo assim intactas as esperanças de poder vir a disputar a final em Turim. Com um total de 36.058 adeptos presentes nos seus três jogos no Estádio da Juventus, o campeão italiano – que nunca tinha passado dos 16 avos-de-final – ganhou novo alento.

Contudo, irá precisar de atingir patamares nunca antes alcançados para levar a melhor sobre o Lyon. O fim do reinado de cinco anos nos quartos-de-final da época passada, contra o Paris, pode ter quebrado a invencibilidade do emblema francês, mas desde a chegada da treinadora Sonia Bompastor, e também depois de algumas alterações no plantel, o grupo está bastante forte. Ada Hegerberg regressou da sua longa ausência por lesão à forma goleadora habitual, ao passo que o experiente trio constituído por Sarah Bouhaddi, Dzsenifer Marozsán e Eugénie Le Sommer está de regresso dos empréstimos de Outono ao OL Reign e Sara Björk Gunnarsdóttir volta a estar disponível após ter gozado de licença de maternidade. A Juventus, no entanto, deu um sinal do seu potencial na temporada passada diante do Lyon, na primeira mão dos 16 avos-de-final, em que liderou o marcador por 2-1 durante meia-hora antes da reviravolta tardia das visitantes, vitoriosas por 3-2.

Dupla tenta desbravar terreno

Resumo de 2017: Paris - Bayern
Resumo de 2017: Paris - Bayern

Tanto o Bayern como o Paris têm vivido à sombra de rivais nacionais nesta competição com domínio do Wolfsburgo e do Lyon na Europa ao longo da última década. Na época passada, porém, o Paris eliminou o Lyon nesta fase e, tal como o Bayern, não só chegou às meias-finais, mais do que o conseguido por Wolfsburgo e do OL, como cada um conquistou títulos na liga após vários anos a terminar em segundo lugar. Ambos procuram igualmente chegar onde nunca estiveram antes nesta competição.

O Paris chegou às finais de 2015 e 2017 diante de Frankfurt e Lyon, respectivamente, e parece agora mais forte do nunca, como mostram os 25 golos marcados e nenhum tento sofrido nas seis vitórias em seis jogos registadas na fase de grupos, superando até mesmo o Barcelona, e com 13 jogadoras diferentes a facturar. O Bayern, que caiu perante o Paris nesta fase em 2015 e chegou apenas pela segunda vez às meias-finais na campanha transacta, não esteve tão espetacular na fase de grupos, mas o triunfo por 1-0 sobre o Lyon uma semana depois de ter sido derrotado em França com um golo à beira do fim, dá mostras da sua capacidade e mentalidade.

Onde ver

Tal como na fase de grupos, todos os jogos são transmitidos em directo e gratiuitamente no DAZN//YouTube. Pode também ver os "streams" do DAZN nos nossos MatchCentres.