O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Müller e Kessler radiantes com vitória

Martina Müller marcou o golo da vitória do Wolfsburgo na final pela segunda época consecutiva, e tanto ela como a capitã Nadine Kessler estavam empolgadas com o triunfo.

Müller e Kessler radiantes com vitória
Müller e Kessler radiantes com vitória ©UEFA.com

Martina Müller marcou o golo da vitória do VfL Wolfsburg na final da UEFA Women's Champions League pela segunda época consecutiva, e partilhou com a capitã Nadine Kessler o mérito pelo golo que selou um triunfo sensacional frente ao Tyresö FF, por 4-3.

O Wolfsburgo chegou ao intervalo a perder por 2-0 e em risco de ser derrotado, mas Müller e Kessler disseram ao UEFA.com que nunca lhes faltou crença, e o facto de Alexandra Popp ter reduzido no início da segunda parte foi crucial. Mesmo quando estiveram a perder por 3-2, o jogo voltou a sofrer uma reviravolta, com a arrancada fantástica de Kessler a terminar com a assistência para o golo decisivo de Müller, aos 80 minutos, e ambas reflectiram sobre uma noite emotiva.

Martina Müller, avançada do Wolfsburgo
Neste momento ainda estou impressionada. Não consigo descrevê-lo. Todas as emoções...Penso que preciso de deixar as cosias assentar um pouco, mas estou nas nuvens!

Ao intervalo pensámos na segunda mão das meias-finais, frente ao Potsdam, onde fomos capazes de dar a volta enquanto equipa; isso deu-nos alguma confiança, e neste jogo foi parecido. Foi um cruzamento da Anna [Blässe], eu dirigi-me ao primeiro poste e a Poppy para o segundo, e conseguimos um golo de cabeça [que reduziu para 2-1], e foi o que aconteceu frente ao Potsdam. Depois sabia que, independentemente do que acontecesse hoje, nada podia correr mal, e acabou por terminar da melhor forma.

Ao intervalo disse que era possível recuperar, pois estava convencida que podíamos dar a volta aos acontecimentos enquanto equipa, e que só poderíamos ficar mais fortes… Estou muito orgulhosa da equipa, é incrível.

Sabíamos que o Tyresö ia começar de forma muito forte, e que não seria um jogo fácil. Tivemos dificuldades em entrar no ritmo da partida, e não acertámos nas marcações, tudo estava a ser muito confuso para nós. Mas conseguimos dar a volta nos segundos 45 minutos. O treinador encontrou as palavras certas, e no fim de contas merecemos vencer.

No golo da vitória, a Nadine [Kessler] conseguiu passar por três jogadoras, e picou a bola, ela ficou livre para mim, e limitei-me a encostar. Mas é um golo a meias, 50 por cento da Nadine e outros 50 por cento meus. Foi fantástico!

Nadine Kessler, capitã do Wolfsburgo e Melhor Jogadora em Campo
Continuo sem palavras. Após ficar em desvantagem de forma tão pesada, e frente a uma equipa muito forte, é bastante difícil recuperar. Penso que também tivemos oportunidades na primeira parte, mas não jogámos bem.

Ainda assim, nunca deixámos de acreditar, e isso foi crucial. Ao intervalo várias jogadoras e o treinador encontraram as palavras certas, dizendo o que era preciso mudar, e que podíamos dar a volta ao resultado. E com essa presença física começámos a segunda parte.

A linguagem corporal que a Popp mostrou após marcar, que depois se transferiu para toda a equipa, fez o conjunto sentir-se forte e confiante. Isso ajudou bastante para o resto do encontro.

[Sobre ficar a perder por 3-2] É algo que nos caracteriza. Não gostamos de pensar em perder. E chegar ao empate depois de termos estado a perder por 0-2, não se perde a confiança tão rapidamente quando se volta a ficar em desvantagem. Foi apenas um golo, e acreditámos sempre em nós. Nos últimos 15 minutos penso que mostrámos que queríamos vencer esta final nos 90 minutos.

Não há equipa melhor e estou muito orgulhosa pela forma como jogámos, como as raparigas se sacrificaram. Isso sim para mim é futebol, é o que torna as pessoas felizes e aquilo a que tudo se resume.

É uma grande honra [ser eleita a melhor em campo]. Estou feliz com o prémio, mas gostaria de o partilhar com todas as minhas colegas, por isso toda a gente tem um pouco dele. É disso que se trata a nossa equipa; somos um colectivo forte, e todas dão o seu contributo. É também isso que eu tento dar.

O Tyresö é uma equipa de topo, que pratica óptimo futebol. Possui excelentes individualidades, como puderam ver esta noite, por exemplo com a Marta. É muito difícil defender contra ela, o mesmo se passa com a Caroline Seger, que é uma centro-campista fantástica. Foi um grande jogo, bastante divertido, tal como foi muito exigente. Hoje realizámos um jogo fantástico para todos os telespectadores e os adeptos presentes no estádio.