Caminho para o sucesso

Com a fase final do Europeu de Sub-21 de 2009 a ter início nesta segunda-feira, na Suécia, o uefa.com observa a forma como a classe de 2007 tem despontado desde o último torneio, na Holanda, há dois anos.

João Moutinho é uma referência no Sporting
João Moutinho é uma referência no Sporting ©Getty Images

Com o início da fase final do Campeonato da Europa de Sub-21 de 2009 agendado para esta segunda-feira, o uefa.com observa a forma como a classe de 2007 se tem exibido desde o último torneio, na Holanda, há dois anos. Os 184 jogadores que se preparam para participar no evento deste mês, na Suécia – já para não falar dos seus clubes –, devem ter em conta que oito dos 12 jogadores listados perfazem quase 100 milhões de euros em transferências.

Royston Drenthe (Holanda)
Drenthe, lateral-esquerdo do Feyenoord, era um desconhecido até ao último Europeu de Sub-21, mas seis jogos em Junho de 2007 mudaram esse estatuto. O veloz defesa, na altura com 20 anos, foi a estrela do torneio em que a Holanda revalidou o título e, exibindo-se numa posição mais adiantada no terreno do que era habitual, marcou um golo e fez assistências para Ryan Babel e Maceo Rigters. Nesse mesmo Verão, chegou ao Santiago Bernabéu depois de uma transferência de 14 milhões de euros para o Real Madrid CF, apresentando-se ao futebol espanhol com um golo fantástico frente ao Sevilla FC, na SuperTaça de Espanha.

Ryan Babel (Holanda)
Tal como aconteceu com Drenthe, os desempenhos de Babel na fase final levaram a que o "rapper" U-Niq o convidasse para participar numa canção intitulada Tak Takie. Ao contrário de Drenthe, Babel já era figura consagrada na Holanda – há três épocas que fazia parte do plantel sénior do AFC Ajax e tinha sido o marcador mais jovem da selecção "laranja" no pós-guerra, depois de ter apontado um golo na sua estreia pela selecção, em 2005. Facturou dois golos nesse torneio, incluindo um na final frente à Sérvia, onde foi eleito o melhor em campo. Quatro semanas depois, o Liverpool FC contratou o avançado por 14 milhões de euros e o jovem de 22 anos tem sido presença regular na formação de Anfield, apesar de, às vezes, na condição de suplente utilizado. Contabiliza mais de 30 internacionalizações.

Branislav Ivanović (Sérvia)
O defesa ganhou notoriedade mundial quando fez dois golos de cabeça, em Abril passado, que permitiram ao Chelsea FC eliminar o Liverpool da UEFA Champions League, mas na verdade Ivanović já fazia parte da lista de alguns olheiros. À partida para o torneio de 2007, integrava o plantel do FC Lokomotiv Moskva e confirmou as suas credenciais ao ajudar a Sérvia a chegar à final, marcando um golo pelo caminho. Em Janeiro de 2008, trocou a Rússia pelo oeste de Londres – com 13 milhões de euros a fazerem o caminho inverso – e apesar de não ter conseguido dar nas vistas na primeira época em Inglaterra, o agora defesa-central internacional sérvio, de 25 anos, deixou a sua marca na temporada 2008/09.

Zoran Tošić (Sérvia)
O extremo, cuja alcunha é "Bambi", tinha desempenhado um papel fundamental na manutenção do FK Banat Zrenjanin quando começou o torneio de 2007. No entanto, fez uma transição tranquila de uma equipa de lutadores para uma equipa de vencedores, já que a Sérvia atingiu a final. Isso aumentou o desejo do FK Partizan em contratar o talentoso jogador, o que acabou por acontecer em Agosto, e depois de fazer a sua estreia pela selecção principal no mês seguinte, Tošić ajudou a formação de Belgrado a conquistar a "dobradinha" na primeira temporada ao serviço do clube. Transferiu-se para o Manchester United FC em Janeiro deste ano, a troco de 11 milhões de euros, e apesar de não se ter imposto em Old Trafford, o jovem de 22 anos é visto como o sucessor a longo prazo de Ryan Giggs.

Ashley Young (Inglaterra) 
Young foi o protagonista de uma transferência de mais de 13 milhões de euros quando trocou o Watford FC pelo Aston Villa FC, em Janeiro de 2007, e rapidamente esteve à altura das exigências, quando a Inglaterra alcançou as meias-finais da competição disputada na Holanda. Foi convocado para a selecção principal pouco tempo depois e estreou-se em Novembro. O extremo, de 24 anos, falhou apenas alguns jogos na equipa orientada por Martin O'Neill em duas épocas e meia que já leva em Villa Park, tornando-se num dos preferidos dos adeptos locais. Em Janeiro, tornou-se no primeiro jogador a vencer o prémio de Jogador do Mês na Premier League por três vezes no espaço de um ano e terminou a campanha 2008/09 sendo eleito o Jogador Jovem do Ano, distinção do Sindicato dos Jogadores Profissionais.

James Milner (Inglaterra) 
Descrito por Fabio Capello, seleccionador de Inglaterra, como "o futuro, o meu futuro", Milner anda nestas andanças já há algum tempo. Uma semana depois de completar 17 anos, em Dezembro de 2002, o versátil médio-ala tornou-se no mais jovem marcador da Premier League, com a camisola do Leeds United AFC (mais tarde, James Vaughan, do Everton FC, viria a superá-lo), tendo-se juntado aos Sub-21 em Março de 2004. Antes da fase final, na Suécia, já tinha registado um recorde de 42 internacionalizações num escalão para o qual ainda é elegível. Milner custou 15 milhões de euros ao Villa quando foi resgatado ao Newcastle United FC no Verão passado.

Marouane Fellaini (Bélgica)
Com a transferência de 18,5 milhões de euros, do R. Standard de Liège para o Everton, em Setembro passado, o médio tornou-se no jogador mais caro da história da Bélgica e do Everton. Produto dos escalões de formação do RSC Anderlecht, despontou no Standard como médio "box-to-box", conquistando o campeonato belga em 2008. Confirmou o seu potencial quando o Standard deu nas vistas frente ao Liverpool, numa pré-eliminatória de acesso à UEFA Champions League. Semfinalista do torneio Sub-21 em 2007, já contabilizava dez internacionalizações na selecção sénior quando se transferiu para o Everton. Na temporada que agora terminou em Inglaterra, o jovem de 21 anos ganhou estatuto de culto pelo seu penteado afro e a distinção de melhor jovem jogador de um Everton em ascensão.

Giorgio Chiellini (Iália) 
Chiellini partiu para a fase final de 2007 depois de uma campanha tranquila como lateral-esquerdo da Juventus, na altura na Serie B, e quando se falava de uma possível saída de Turim nesse Verão. No entanto, 11 dias na Holanda fizeram toda a diferença na sua carreira. Nomeado capitão de equipa e posicionado no centro da defesa, papel pouco habitual, pelo treinador Pierluigi Casiraghi, Chiellini esteve impecável – adicionando brilho ao sólido trabalho defensivo com a obtenção de dois golos em quatro jogos. Depois disso, de maneira alguma o técnico da Juventus, Claudio Ranieri, prescindiria dos seus serviços. O jogador, de 24 anos, regressou aos "bianconeri" como defesa-central e aí se tem destacado, tanto na Juve como na selecção de Itália.

Giuseppe Rossi (Itália) 
Esperava-se muito de Rossi desde que se transferiu do Parma FC para o Manchester United, com apenas 17 anos. Poucas oportunidades em Old Trafford levaram ao seu empréstimo ao Newcastle United, em 2006/07, e depois o regresso ao Parma. De volta às origens, nove golos em 19 jogos da Serie A ajudaram os "gialloblù" a evitar a despromoção e valeram-lhe a chamada aos Sub-21 para a prova de 2007. Rossi destacou-se na selecção italiana em solo holandês, registando um golo e um cartão vermelho, numa competição em que os "azzurrini" terminaram em quinto lugar. Seis semanas depois ingressou no Villarreal CF por dez milhões de euros, facturando 28 golos em duas épocas no clube espanhol. Rossi, de 22 anos, tornou-se internacional sénior em Outubro de 2008.

Ben Sahar (Israel) 
Com apenas 17 anos quando chegou à Holanda, Sahar já era internacional sénior e tinha efectuado três jogos na equipa principal do Chelsea FC. Israel não conseguiu impressionar e ficou pelo caminho na fase de grupos, sendo incapaz de marcar um único golo e isto marcou um período de incerteza na carreira de Sahar. Depois de empréstimos a Queens Park Rangers FC, Sheffield Wednesday FC e Portsmouth FC, em Inglaterra, ingressou nos holandeses do De Grafschaaf em Janeiro. Na Eredivisie passou a jogar de forma regular e assinou cinco golos. Tem tido um progresso mais consistente na selecção de Israel, onde já acumulou 15 internacionalizações.

João Moutinho (Portugal) 
Elemento cada vez mais preponderante do Sporting, Moutinho, médio de 22 anos, praticamente não falhou um jogo pelo emblema de Lisboa desde a sua estreia, em Janeiro de 2005. Foi eleito como a revelação dessa época, depois da derrota na final da Taça UEFA, frente ao PFC CSKA Moskva, em Maio, mas na altura já fazia parte do núcleo-duro da equipa. Estreou-se na selecção principal portuguesa três meses depois. Por altura da fase final do Europeu de Sub-21, na Holanda, Moutinho já tinha conquistado um troféu, no caso a Taça de Portugal. Doze meses depois, ajudou o Sporting a defender com sucesso esse feito e agora é presença assídua na selecção de Portugal.

Michal Kadlec (República Checa) 
Filho de Miroslav Kadlec, capitão da selecção checa que disputou a final do EURO '96™, Michal Kadlec já era elemento de destaque no AC Sparta Praha quando teve início o torneio de 2007. No total, ajudou o Sparta a conquistar a Taça da República Checa em três anos consecutivos. Por isso, foi sem surpresa que fez a sua estreia pela selecção principal em Novembro de 2007 e se transferiu para o Bayer 04 Leverkusen no Verão passado, por empréstimo. A sua mudança para a Bundesliga veio a revelar-se um sucesso, mesmo que a época tenha acabado em desilusão, já que o defesa de 24 anos conheceu pela primeira vez o sabor na derrota na Taça da Alemanha, onde o Lervkusen perdeu a final frente ao Werder Bremen.