Onde a final da UEFA Europa League foi ganha e perdida

Alguns golpes de mestre de Unai Emery, o sentido de oportunidade perfeito de Kevin Gameiro, o meio-campo sólido mas dinâmico do Sevilha, assim como os benefícios da determinação e da experiência.

Kevin Gameiro comemora o decisivo golo do empate
Kevin Gameiro comemora o decisivo golo do empate ©AFP/Getty Images

Dupla perigosa
A decisão de Unai Emery em colocar Coke no meio-campo e Mariano Ferreira a alinhar a defesa-direito foi uma alteração experimentada com algum sucesso contra o Shakhtar Donetsk nas meias-finais, mas resultou de forma demolidora em Basileia. Foi uma boa subida e um cruzamento de Mariano que originaram o primeiro golo de Kevin Gameiro, depois foi Coke a assumir todo o protagonismo. Com a cobertura de Grzegorz Krychowiak no meio-campo, o espanhol flectiu para o dentro e conseguiu bisar pela primeira vez na carreira.

Ajuste oportuno
Enquanto o lado direito da defesa de Sevilha estava bem guarnecido, Sergio Escudero esteve sozinho no flanco esquerdo durante grande parte do primeiro tempo e o Liverpool, através de Adam Lallana e Roberto Firmino, sentiu que podia criar perigo. Emery fez uma alteração decisiva ao intervalo, obrigando Vitolo a maiores cuidados defensivos, mas sem castrar demasiado a vocação ofensiva do jogador de 26 anos. Foi uma sensacional investida de Vitolo que permitiu a Coke marcar o seu primeiro golo e, com Krychowiak atento às dobras, o ponto fraco de Sevilha tornou-se numa fonte de força.

Gameiro (tapado) marca um dos golos da final
Gameiro (tapado) marca um dos golos da final©Sportsfile

O sentido de oportunidade de Gameiro
Segundo o livro gasto de lugares-comuns do futebol, o final da primeira parte é um momento ideal para marcar. Poucos segundos após o reinício do encontro poderá ser ainda melhor: o golo de Kevin Gameiro veio altear tudo. O Liverpool desorientou-se, com Klopp a reconhecer que os seus jogadores nunca conseguiram recuperar a confiança e o equilíbrio. O Sevilha por outro lado, ficou imediatamente transformado. À entrada para o intervalo estava a oscilar, e depois do golo de Gameiro ficou embalado.

Krychowiak pressiona James Milner
Krychowiak pressiona James Milner©Getty Images

O muro no meio-campo do Sevilha
Steven N'Zonzi começou o jogo como se fosse uma mera continuação do seu último encontro com o Liverpool, uma goleada de 6-1 no derradeiro jogo da época quando ainda equipava com a camisola vermelha e branca do Stoke City. O francês e Krychowiak estabeleceram a sua autoridade em campo e anularam as linhas de abastecimento para os jogadores mais criativos do Liverpool durante grande parte do jogo. Foram disciplinados, revelaram grande entendimento e um sentido posicional invulgar. O Liverpool perdeu a organização depois do golo de Gameiro e os pilares do meio-campo do Sevilha fizeram questão de garantir que não mais a recuperasse.

Experiência decisiva
Muitas equipas teriam entrado em pânico se chegassem ao intervalo em desvantagem e sob pressão, mas o Sevilha tem muita experiência deste jogos. Não há muitos resistentes dos dois últimos títulos, mas os que restam estiveram na linha da frente na segunda parte: Coke, Gameiro, Vitolo e Daniel Carriço. Não podemos esquecer os adeptos. Nunca deixaram de acreditar.

Topo