A história da fase de grupos da Europa League

Com os golos tardios cada vez mais na moda e empates 3-3 em voga, a segunda edição da UEFA Europa League foi pródiga em emoções. O UEFA.com escolheu alguns destaques.

Artjoms Rudņevs, do Lech Poznań, festeja mais um golo em Turim
Artjoms Rudņevs, do Lech Poznań, festeja mais um golo em Turim ©Getty Images

Dado o peso dos 72 encontros realizados na UEFA Europa League até ao momento, resumi-los todos de uma vez é uma tarefa difícil. O UEFA.com escolheu alguns destaques, agora que se atingiu metade da fase de grupos de 2010/11.

Heróis dos "hat-trick"
Patrick Helmes, Aleksandr Kerzhakov e Emmanuel Adebayor conseguiram todos "hat-tricks", mas devem reconhecer que a grande exibição individual da fase de grupos pertence a Artjoms Rudņevs. O internacional letão de 22 anos marcou por duas vezes quando, na primeira jornada, o KKS Lech Poznań se adiantou no marcador frente à Juventus. O gigante italiano daria a volta ao marcador, mas Rudņevs voltou a facturar aos 92 minutos, dando um espectacular empate ao conjunto polaco.

Finais emocionantes
Finais de jogos emocionantes foram a regra, especialmente tendo um empate de 3-3 alcançado fora de casa como prémio. Sílvio marcou com cinco minutos de descontos no empate do FC Lausanne-Sport, da II Divisão suíça, no terreno do AC Sparta Praha. Mas isso ainda foi muito cedo quando comparado com o que aconteceu no reduto do FC Steaua Bucureşti, na segunda jornada. Os comandados de Marius Lăcătuş chegaram a um 3-0 em somente 16 minutos. Depois, viram um seu jogador expulso, e eis que o SSC Napoli foi recuperando. Finalmente, aos 98 minutos, Edinson Cavani apontou o 3-3.

Equilibrado
Este foi um de cinco empates em seis encontros num bastante equilibrado Grupo K, com a vitória do Liverpool FC, por 4-1, sobre o Steaua a ser a única excepção. Ambos os jogos seguintes dos "reds" terminaram sem golos, incluindo o encontro da semana passada, com o Nápoles, em Itália, que teve uma assistência de 52.910 espectadores, a maior da fase de grupos até ao momento.

Em forma
Os representantes de Portugal e da Rússia têm estado em boa forma. Sporting, FC Porto, PFC CSKA Moskva e FC Zenit St. Petersburg venceram todos os encontros que realizaram e têm os ataques mais prolíficos. O CSKA ainda tem a única defesa sem golos sofridos da prova e, em Seydou Doumbia, o melhor marcador da competição, com quatro golos, apesar de ter falhado a partida em Lausanne. O internacional costa-marfinense de 22 anos também marcara três tentos no "play-off" frente ao Anorthosis Famagusta FC.

"Jekyll e Hyde"
O VfB Stuttgart parece ter-se guardado para esta prova. Internamente, o Estugarda tem estado irregular ao ponto de o seu início na Bundesliga ter levado à saída do treinador Christian Gross. Todavia, o hino da UEFA Europa League inspira uma transformação: uma média de 19 remates por jogo e um arranque 100 por cento vitorioso atestam isso mesmo. Mas há um precedente neste dualismo: o Club Atlético de Madrid e o Fulham FC eram nono e 12º classificados nas respectivas Ligas internas quando se encontraram na final da época passada.

Atlético perde autoridade
O Atlético teve um início de defesa do seu título titubeante, daí o terceiro lugar no Grupo B. Pelo menos, os "colchoneros", onde actuam Simão e Tiago, recuperaram da derrota na primeira jornada, no terreno do Aris Thessaloniki FC, o que significa que o conjunto grego mantém-se invicto perante o seu público nas competições europeias. O empate seguinte do Aris, com o Bayer 04 Leverkusen, prolongou essa série para 23 jogos. Uma deslocação ao AZ Alkmaar é igualmente assustadora, apesar de, na terceira jornada, o FC Dynamo Kyiv ter-se tornado somente na segunda equipa a sair vitoriosa daquele estádio em 40 jogos para as competições europeias.

Quarta jornada
Uma vitória na próxima quinta-feira colocará Estugarda, Sporting, Porto, CSKA Moskva, Zenit e o Manchester City FC no sorteio da fase seguinte, que se realizará em Dezembro, com duas partidas ainda por realizar. O PFC CSKA Sofia, sem qualquer ponto ou mesmo golo, olha para o rendimento das equipas acima mencionadas com inveja, mas numa época marcada pelas recuperações, pode, pelo menos, ter alguma esperança.