2009/10: Atlético coroa campanha histórica

Diego Forlán foi o herói do Atlético de Madrid ao terminar com a espera de 48 anos do clube por um troféu continental, num jogo que, tal como a edição inaugural da UEFA Europa League, teve emoção e golos.

2009/10: Atlético coroa campanha histórica
2009/10: Atlético coroa campanha histórica ©UEFA.com

Club Atlético de Madrid 2-1 Fulham FC (após prolongamento)
(Forlán 32, Davies 37; Forlán 116)
Hamburg Arena, Hamburgo

A UEFA Europa League foi bem recebida quando tomou o lugar da Taça UEFA no Verão de 2009 e a primeira edição da prova acabou por ser memorável, especialmente para o Atlético.

A fase a eliminar, em particular, revelou-se cheia de drama, emoção e muitos golos, com jogos disputados em estádios lotados. A chegada do surpreendente Fulham à final constituiu o sinal perfeito de uma nova era. Sem títulos internacionais no palmarés, um clube que nunca conseguiu melhor do que um sétimo lugar na Premier League afastou o FC Shakhtar Donetsk, vencedor da última edição da Taça UEFA, e o Hamburger SV na caminhada até à final.

O ponto alto da campanha da equipa de Londres foi, no entanto, a eliminação da Juventus nos oitavos-de-final, num jogo em que o Fulham esteve a perder e ganhou por 4-1. "Foi uma óptima competição e só podemos dizer coisas boas dela", afirmou Roy Hodgson, treinador do Fulham, depois da derrota na final, por 2-1, frente ao Atlético. "Defrontámos equipas fantásticas e de topo, em grandes jogos e em sítios interessantes. E estamos aqui, num estádio com capacidade para 49 mil pessoas, num excelente jogo de futebol."

E foi, de facto. Diego Forlán pôs a equipa espanhola em vantagem, pouco depois da meia-hora de jogo, mas o Fulham restabeleceu o empate logo a seguir, graças a um golo de Simon Davies. A noite pertenceria, no entanto, a Forlán, que teve energia suficiente para marcar o tento da vitória do Atlético no prolongamento, quando já se antevia o desempate por grandes penalidades. O Atlético acabou, assim, com o jejum de títulos que durava há 14 anos e conquistou o primeiro troféu europeu desde 1962: a festa foi ruidosa e longa.

Forlán já tinha sido o herói dos "rojiblancos" em Anfield, ao marcar também no prolongamento o golo decisivo das meias-finais com o Liverpool FC, outro clube que transitou da UEFA Champions League no Inverno. Entre os golos memoráveis desta edição de estreia, incluem-se o sensacional pontapé de bicicleta de Mladen Petrić no jogo dos quartos-de-final entre o Hamburgo e o R. Standard de Liège e o notável "hat-trick" de David Villa no empate a quatro golos entre o Valencia CF e o Werder Bremen, na segunda mão dos oitavos-de-final.

O feito de Villa constituiu apenas um dos momentos de uma noite em que a UEFA Europa League "saiu da enorme sombra da Champions League", como escreveu Paul Wilson, do jornal inglês The Guardian. Outros pontos altos foram o brilhante chapéu de Clint Dempsey, que valeu a vitória ao Fulham sobre a Juve, e os golos do jovem de 16 anos Lukaku Romelo, do RSC Anderlecht, que chegaram a assustar o Hamburgo numa eliminatória que os alemães ganharam por um total de 6-5.

A emoção continuou com o golo no último minuto de Christian Gentner, que valeu a vitória do VfL Wolfsburg sobre o FC Rubin Kazan. Por tudo isto, a primeira edição da UEFA Europa League colocou a fasquia num patamar bem elevado.