O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Bis de Sigurdsson ajuda Islândia a fazer história

Islândia 2-0 Holanda
Dois golos de Gylfi Sigurdsson permitiram aos anfitriões manterem o registo 100 por cento vitorioso no Grupo A.

Iceland 2-0 Netherlands

Islândia bate Holanda pela primeira vez na sua história
Dois golos de Gylfi Sigurdsson suficientes para derrotar holandeses
Anfitriões mantêm registo perfeito no Grupo A, empatados com República Checa
Selecção "laranja" a seis pontos do topo após duas derrotas em três partidas
Próximos jogos: República Checa - Islândia, Holanda - Letónia (16 de Novembro)

A Islândia continua 100 por cento vitoriosa no Grupo A ao vencer por 2-0 e impor à Holanda a segunda derrota em três jogos, graças a dois glos do médio Gylfi Sigurdsson ainda na primeira parte.

Motivada pelos últimos resultados, a Islândia entrou bem no jogo e logo aos oito minutos conquistou uma grande penalidade. Gregory van der Wiel derrubou Birkir Bjarnason na grande área holandesa e, na conversão do respectivo castigo máximo, Sigurdsson não perdoou. A Holanda reagiu e instalou-se no meio-campo islandês, mas só à passagem do minuto 25 importunou a baliza contrária. Robin Van Persie colocou à prova as qualidades do guarda-redes da casa e, pouco depois, Arjen Robben, de cabeça, errou o alvo por pouco.

Contudo, os homens da casa continuavam a sair para o ataque sempre que possível e foram mesmo eles a voltar a marcar, uma vez mais por Sigurdsson. Na sequência de um pontapé de canto a bola sobrou para o médio do Swansea FC, que rematou certeiro para o seu quarto golo em três jogos nesta fase de qualificação, colocando a Islândia a vencer por 2-0.

Em desvantagem ao intervalo, tal como no jogo anterior, frente ao Cazaquistão, Guus Hiddink voltou a lançar em campo Klas-Jan Huntelaar para a segunda parte, mas desta feita sem o mesmo efeito. A Holanda raramente criava perigo e foi mesmo a selecção da casa que quase chegou ao 3-0, valendo aos visitantes um grande corte de Bruno Martins Indi.

Mais tarde, Martins Indi cabeceou por cima na melhor ocasião de golo dos holandeses no segundo tempo, mas em contra-ataque era a Islândia quem continuava mais perto do golo, e Bödvarsson ficou muito perto do 3-0. A bola não entrou, mas o triunfo já estava consumado.