O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Skorovich satisfeito, Croácia orgulhosa

Sergei Skorovich mostrou-se feliz pela vitória, depois do triunfo da Rússia nas meias-finais, por 4-2, sobre a Croácia, que estava orgulhosa do que tinha feito diante de 14,300 espectadores.

A festa do guarda-redes da Rússia, Gustavo
A festa do guarda-redes da Rússia, Gustavo ©Action Images

Sergei Skorovich, treinador da Rússia
Estou feliz porque empreendemos um grande esforço na preparação para este torneio e agora estamos na final. Não queremos parar e vamos dar o nosso melhor no próximo jogo. Queríamos praticar bom futsal desde o início, para mostrarmos que éramos mais fortes do que a Croácia. Tivemos a sorte de marcar no primeiro minuto − é muito importante fazê-lo neste tipo de jogos.

O encontro foi muito difícil. A Croácia acertou nos ferros algumas vezes na parte final e teve oportunidades para marcar mais golos. Um treinador está sempre feliz quando a sua equipa chega à final − é melhor não jogar bem e ganhar.

Estávamos preparados para ser pressionados nos instantes finais, devido ao apoio do público. Uma equipa tenta sempre atingir o seu melhor nos últimos minutos. Estávamos nervosos, como é óbvio, mas tentámos agir naturalmente.

Ildar Nugumanov, avançado da Rússia
No início, não só queríamos marcar rapidamente um golo, como também dominar o adversário por completo, para silenciar o público da casa. Conseguimos fazê-lo, por isso o plano de jogo funcionou realmente bem.

Mato Stanković, treinador da Croácia
Os dois golos madrugadores foram decisivos na nossa derrota. Estamos muito orgulhosos por terem vindo tantas pessoas apoiar-nos. A Rússia é uma equipa muito boa e tenho a acrescentar que, apesar de ser melhor, os meus jogadores jogaram muito bem. Em certos momentos não tivemos a felicidade do nosso lado.

Estou orgulhoso por todos os jogos que realizámos, não apenas por este. Os primeiros cinco minutos não foram bons, mas noutros períodos do jogo sim. Todos os adeptos gostam de nós depois daquilo que fizemos − pouco importa o resultado que alcançamos sábado [frente à Itália].

Dario Marinović, autor dos dois golos da Croácia
Começámos o jogo receosos. O adversário é uma equipa de topo e sabia como punir os nossos erros. Estivemos a perder por 4-0 e, nesse momento, receámos o que podia acontecer até final. Conseguimos reduzir a diferença e encontrar forças para ser um oponente digno.