O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Portugal saboreia triunfo sobre o Azerbaijão

A satisfação portuguesa era bem evidente face à vitória por 4-1 ante o Azerbaijão, com Ricardinho a saborear o seu golo "mágico" e João Matos a afirmar que o vice-campeão europeu está mais forte.

Ricardinho festeja o 4-1
Ricardinho festeja o 4-1 ©Action Images

Jorge Braz, seleccionador de Portugal
Na primeira parte estivemos um pouco desorganizados, mas isso é normal no primeiro jogo de uma competição como esta. Na segunda parte fomos organizados e soubemos preencher bem os espaços a nível defensivo e ofensivo. Quando se faz isso com qualidade de organização dos cinco jogadores no terreno de jogo, tudo se torna mais fácil. Foi isso que aconteceu.

Tendo em conta as individualidades que tem, o Azerbaijão é uma equipa difícil de bater e já estávamos cientes disso. No entanto, esta noite fomos mais organizados e o resultado fica a dever-se a isso mesmo.

Gonçalo Alves, defesa de Portugal
É muito importante entrar a ganhar numa competição como esta. Cumprimos com aquilo que nos foi pedido, sendo que todos sabiam exactamente aquilo que tinham de fazer dentro de campo. Quando assim é, quando se joga sem medo de falhar, tornamo-nos uma potência no futsal europeu. No desporto ganha-se e perde-se, mas vamos dar o nosso melhor para saírmos daqui felizes. Agora há que começar a pensar na Sérvia e só depois nos restantes adversários.

João Matos, defesa de Portugal
Acima de tudo é importante entrar com o pé direito. Fizemos um bom jogo e controlámos todos os aspectos do jogo. Na primeira parte fomos obrigados a defender um pouco mais, mas na segunda entrámos mais decididos e com mais posse de bola, sendo que a nossa qualidade esteve bem evidente. Soubemos gerir bem todos os momentos do jogo. Esta vitória dá-nos mais confiança para o próximo jogo. Isso não significa que vamos ter vida fácil frente à Sérvia, mas estamos confiantes e vamos encarar esse jogo como se fosse mais uma final. Penso que hoje foi notório que Portugal está mais forte do que já dois anos, quando defrontamos o Azerbaijão nas meias-finais. Os jogadores das duas equipas são praticamente os mesmos e foi evidente que o nosso jogo evoluiu bastante.

Ricardinho, avançado de Portugal
Sabemos muito bem quais são os nossos objectivos neste Europeu, mas para já só pensamos na fase de grupos. Temos de ter calma e ter os pés bem assentes no chão. Acho que fizemos um excelente jogo e agora há que analisar já a Sérvia. Tenho aprendido muito de ano para ano e ajuda ter começado muito novo e ter aprendido com os melhores. É bom quando a magia aparece, mas o mais importante é trabalhar bem e em prol da equipa.

Alesio, seleccionador do Azerbaijão
Penso que jogámos bem. Não fomos inferiores a Portugal e a principal razão para a nossa derrota tem a ver com o facto de eles terem marcado mais golos do que nós. Estivemos bem organizados e é uma pena saírmos deste jogo com uma derrota. Penso que foi um jogo muito equilibrado, mas há que lembrar que defrontámos o vice-campeão europeu.

Portugal trabalhou bem como equipa e conseguiram converter as oportunidades que criaram. Nós falhámos as nossas e acabámos por pagar a factura disso mesmo. O nosso guarda-redes não está a atravessar o seu melhor momento. Ele está a trabalhar para recuperar a sua forma, mas ele tem 44 anos de idade e isso torna tudo mais difícil.

Serjão, avançado do Azerbaijão
Já sabíamos que iríamos ter pela frente um jogo muito complicado. Portugal conseguiu marcar dois golos madrugadores e ainda conseguimos reduzir, mas depois disso falhámos várias ocasiões para chegar ao empate. Parecia que, sempre que falhávamos uma oportunidade, eles marcavam.

O resultado estava em 2-1 e devíamos ter marcado, mas em vez disso sofremos um golo num contra-ataque. O mesmo aconteceu com o quarto golo deles. Contra equipas como Portugal é fatal quando não se aproveita as ocasiões criadas. Isto é o Campeonato da Europa e não podemos cometer erros como estes.