Equipas para as quais ganhar não é tudo

O Dnipro venceu menos de metade dos jogos disputados na presente Europa League, mas chegou à final: o UEFA.com descobre outras equipas com sucesso e poucos triunfos.

Edward Linskens, Ronald Koeman, Jan Heintze, Eric Gerets e Wim Kieft, do PSV, comemoram em 1988
Edward Linskens, Ronald Koeman, Jan Heintze, Eric Gerets e Wim Kieft, do PSV, comemoram em 1988 ©Getty Images

"Ganhar não é tudo na vida", defendem alguns nomes do futebol (e não só). De facto, o FC Dnipro Dnipropetrovsk mostrou haver mais do que uma maneira de chegar a uma final no trajecto até ao jogo decisivo da presente edição da UEFA Europa League ao reservar lugar em Varsóvia, apesar de ter ganho menos de metade dos 16 encontros disputados desde que entrou no "play-off" (7V 5E 4D).

Como descobrimos, não vencer parece não ser impeditivo de triunfar...

Club Atlético de Madrid, UEFA Europa League de 2009/10
3V 8E 4D – campeão

O golo da vitória de Diego Forlán aos 90 minutos afastou o Galatasaray AŞ nos 16 avos-de-final, e o Atlético bateu depois o Sporting Clube de Portugal, Valencia CF e Liverpool FC graças aos golos marcados fora. Na final o Atlético não tinha essa regra como tábua de salvação, por isso Forlán marcou bem perto do fim do prolongamento e derrotou o Fulham FC, colocando um fim em 14 anos de espera por um troféu.

Van Breukelen recorda triunfo do PSV em 1988
Van Breukelen recorda triunfo do PSV em 1988

PSV Eindoven, Taça dos Campeões Europeus de 1987/88
3V 5E 1D –
campeão
O PSV de Guus Hiddink, que havia ganho a "dobradinha" na Holanda, venceu o Galatasaray e o SK Rapid Wien (duas vezes), mas não ganhou mais nenhuma vez depois da segunda eliminatória. Eliminou o FC Girondins de Bordeaux e o Real Madrid CF graças aos golos fora, após igualdades 1-1 em França e Espanha, e depois superiorizou-se ao SL Benfica numa final sem golos. Nos penalties, António Veloso (pai de Miguel Veloso) falhou e teve início o Verão de ouro da Holanda.

Suárez sobre a força colectiva de Espanha em 1964
Suárez sobre a força colectiva de Espanha em 1964

Dinamarca, Campeonato da Europa da UEFA de 1964
4V 2E 3D – quarta classificada

Muitos esquecem-se, mas a Dinamarca atingiu duas meias-finais de Europeus antes da conquista do troféu em 1992. A prova de 1964 não parecia auspiciosa. O conjunto nórdico bateu Malta, ganhou à Albânia (4-1 no total), antes de um embate com o carrasco da Holanda: o Luxemburgo. A Dinamarca precisou de um jogo de repetição para avançar às custas dos "leões vermelhos", com Ole Madsen a marcar o único golo em Amesterdão.

O Villarreal comemora o penalty de Riquelme ante o Benfica
O Villarreal comemora o penalty de Riquelme ante o Benfica©Getty Images

Villarreal CF, UEFA Champions League de 2005/06
3V 7E 2D – semifinalista

A elogiada equipa de Manuel Pellegrini marcou três golos e sofreu apenas um rumo à vitória no grupo, e mesmo nas eliminatórias o "submarino amarelo" manteve a consistência defensiva. O Rangers FC e o FC Internazionale Milano de Roberto Mancini foram afastados devido aos golos fora; e se Juan Riquelme tivesse convertido um penalty ao cair do pano frente ao Arsenal FC, a equipa espanhola poderia mesmo ter atingido a final.

Resumo: Triunfo pragmático da Rússia
Resumo: Triunfo pragmático da Rússia

Rússia, Campeonato da Europa de Sub-17 da UEFA de 2013
1V 4E – campeã
A Rússia somou apenas um triunfo, mas quatro empates e uma incrível eficácia nos penalties apuraram Dmitri Khomukha na Eslováquia. Após bater a Ucrânia por 3-0 na primeira jornada, a Rússia marcou apenas mais uma vez, num empate com a Itália, resultado que garantiu o primeiro lugar no grupo. Empatou, a seguir, na meia-final e na final 0-0, mostrando de novo qualidade nas grandes penalidades ante a Suécia (10-9) e Itália (5-4).

Consegue lembrar-se de outros casos idênticos? Diga-nos no Twitter ou no Facebook através de #PlayTheLongGame. Iremos acrescentar os melhores aqui.

*Estatísticas da fase de grupos em diante