O "site" oficial do futebol europeu

Rússia vence com eficácia na Eslováquia

A Rússia ergueu o troféu na Eslováquia após ganhar a meia-final e a final no desempate por grandes penalidades, em dois jogos nos quais o guarda-redes e capitão Anton Mitryushkin virou herói.
por Ian Holyman e Richard Binks
de Zilina
Rússia vence com eficácia na Eslováquia
A Rússia celebra a vitória em 2013 ©Sportsfile

Rússia vence com eficácia na Eslováquia

A Rússia ergueu o troféu na Eslováquia após ganhar a meia-final e a final no desempate por grandes penalidades, em dois jogos nos quais o guarda-redes e capitão Anton Mitryushkin virou herói.

A natureza letal da Rússia a partir da marca de grande penalidade marcou a fase final do Campeonato da Europa de Sub-17 na Eslováquia, pois os homens de Dmitri Khomukha decidiram a meia-final e a final no desempate por grandes penalidades para erguer o troféu pela segunda vez.

Na verdade, o sucesso anterior dos russos, em 2006, nasceu também da decisão na marcação de grandes penalidades e o êxito deste ano surge como reflexo da tranquilidade e da calma do seleccionador Khomukha que, ao trabalhar com o mínimo de aparato, atingiu o topo. Após sufocar a impressionante Itália na final, foi o capitão Anton Mitryushkin, ao defender as conversões de Davide Di Molfetta, Giacomo Sciacca e Andrea Palazzi, que permitiu a Sergei Makarov marcar o penalty vitorioso.

Suécia e Eslováquia, equipas derrotadas nas meias-finais, emergiram do Grupo A apesar de serem estreantes no escalão. Beneficiando de forte apoio, a formação da casa teve o início ideal ao vencer a Áustria nos descontos, fruto de um golo do suplente Martin Slaninka, antes do jogador do MŠK Žilina completar a recuperação da sua equipa até ao empate depois de estar a perder por 2-0 diante da Suíça e seguir na direcção das meias-finais. O ponto que faltava para a qualificação surgiu no empate sem golos com a Suécia, resultado que também serviu aos escandinavos.

O golo de Gustav Engvall significou a surpresa da equipa de Roland Larsson na vitória sobre a Suíça por 1-0 na estreia em fases finais, antes de resistir a uma segunda parte de forte assédio dos austríacos para ganhar um ponto e ficar muito perto das meias-finais. Com a forma a subir de jogo para jogo, a Áustria assegurou o terceiro lugar no grupo e a qualificação para o Campeonato do Mundo de Sub-17 ao vencer por 2-1 a Suíça.

A formação de Dmitri Khomukha depressa mostrou o seu potencial ao abrir o Grupo B com um triunfo por 3-0 sobre a Ucrânia, ao passo que a Itália não foi além do nulo diante da Croácia. As expectativas dos “azzurrini” em chegarem ao título pareciam comprometidas quando perdiam 1-0 a cinco minutos do fim com a Ucrânia, mas Mario Pugliese completou a reviravolta já nos descontos e a equipa de Daniele Zoratto pôde continuar a acreditar.

Ao empatar 1-1 com a Rússia, a Croácia, apontada como uma das potenciais finalistas, ficou afastada da corrida e fechou o agrupamento ao vencer a Ucrânia por 2-1 e qualificar-se também para o Mundial de Sub-17.

Com ímpeto crescente a cada minuto de jogo, a Itália puxou dos galões na meia-final e derrotou a Eslováquia por 2-0, com Pugliese e Elio Capradossi a marcarem, cada um, os seus segundos golos no torneio, enquanto na outra meia-final a decisão revelou-se muito mais apertada. Após igualdade 0-0 com a Suécia, reduzida a dez unidades, a decisão passou para as grandes penalidades e Ramil Sheydaev marcou o golo decisivo numa vitória épica da Rússia por 10-9 que reagendou a desforra com a Itália.

http://pt.uefa.com/under17/history/season=2013/index.html#russia+vence+eficacia