Combata a COVID-19 seguindo as indicações da Organização Mundial de Saúde e os cinco passos da FIFA para travar a propagação da doença.

1. Lavar as mãos 2. Tossir para o antebraço 3. Não tocar no rosto 4. Manter a distância física 5. Ficar em casa.
Mais informação >
 

Feliz coincidência para Mularczyk

O EURO Feminino Sub-19 vai terminar como começou para Monika Mularczyk, dirigindo o jogo entre Inglaterra e França, e a árbitra polaca diz estar "feliz, empolgada, orgulhosa" pela nomeação para a final.

A equipa de arbitragem (da esquerda para a direita): Svetlana Bilić, Monika Mularczyk, Eleni Lampadariou e Araksya Saribekyan
A equipa de arbitragem (da esquerda para a direita): Svetlana Bilić, Monika Mularczyk, Eleni Lampadariou e Araksya Saribekyan ©Sportsfile

Para Monika Mularczyk, o Campeonato da Europa Feminino de Sub-19 terá uma sensação de repetição. Após dirigir o jogo inaugural do Grupo A, entre Inglaterra e França, a 19 de Agosto, a árbitra da Polónia prepara-se para o jogo decisivo do torneio, este sábado, entre as mesmas equipas.

"Sinto-me feliz, empolgada, orgulhosa", disse Mularczyk ao UEFA.com. "O primeiro jogo que arbitrei neste torneio foi entre Inglaterra e França, pautado pelo equilíbrio. As duas equipas estão ao mesmo nível, por isso espero um jogo muito bom."

As suas árbitras assistentes na final, cujo início está marcado para as 15h00 (de Portugal Continental), são Svetlana Bilić e Araksya Saribekyan. "Gales é um país lindo, estou muito orgulhosa por fazer parte da equipa da UEFA neste torneio. Tudo tem sido organizado na perfeição, e estou bastante agradada com a ajuda e apoio que temos tido", disse Bilić.

Saribekyan preferiu destacar o espírito sob o qual a competição tem sido disputada até ao momento: "Em cada jogo, da parte de árbitras, jogadoras e dirigentes, só tenho visto 'fair play'. Penso que as reuniões que Bo [Karlsson, membro do Comité de Arbitragem da UEFA] teve com as equipas antes do início da prova ajudaram a isso."

A desempenhar o papel de quarta árbitra estará Eleni Lampadariou, que mencionou a presença de três promissoras árbitras galesas junto da equipa de arbitragem – Charlotte Carpenter, Rebecca Thomas e Ceri Louise Williams. "Foi uma experiência útil para elas e para nós. Todas aprenderam umas com as outras, e isso é bom para o nosso futuro", concluiu.

Ainda no tema da aprendizagem, será que Mularczyk tem algum conselho para aspirantes a árbitras que desejem seguir as suas pisadas e as da sua equipa? "É preciso acreditar que, se queremos realmente algo, podemos fazer com que isso aconteça. Mas também não pensem que a vossa vida é apenas arbitragem: encontrar o equilíbrio nem sempre é fácil, mas é possível."

Topo