O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Estónia procura reagir à derrota frente a Portugal

O capitão da Estónia, Karl-Eerik Luigend, comentou com o UEFA.com a partida de estreia, frente a Portugal, à medida que se aproxima o próximo encontro, diante da Grécia.

O capitão da Estónia, Karl-Eerik Luigend
O capitão da Estónia, Karl-Eerik Luigend ©Sportsfile

O capitão da equipa anfitriã do Campeonato da Europa de Sub-19, Karl-Eerik Luigend, explicou o que aconteceu na derrota inicial da Estónia frente a Portugal, por 3-0.  

UEFA.com: A sua equipa marcou um autogolo cedo no encontro contra Portugal. Estavam nervosos antes da partida?

Karl-Eerik Luigend: Nenhuma outra selecção jovem da Estónia havia disputado uma fase final de uma prova como esta. Foi a nossa primeira tentativa. Sentimos muita tensão. Havia muitos espectadores nas bancadas que nós costumamos ver nos jogos da primeira ou segunda divisão. Acredito que o primeiro golo que sofremos foi devido ao nervosismo.

UEFA.com: O que disse ao Artur Pikk, que marcou de cabeça na própria baliza?

Luigend: Não o culpámos de nada. O ambiente é muito bom entre todos nós e tentámos apoiá-lo. Estas coisas acontecem no futebol e não estamos zangados com ele.

UEFA.com: Será errado dizer que não estavam preparados para o jogo de abertura?

Luigend: Penso que o nosso seleccionador, o Arno Pijpers, fez um bom trabalho do ponto de vista táctico e preparou-nos psicologicamente. É óbvio que nós não tínhamos a experiência para jogar ao mais alto nível.

UEFA.com: O que mudou na segunda parte para melhorem tanto?

Luigend: Penso que os primeiros dois golos tiraram-nos a pressão e no intervalo recebemos mais instruções do nosso treinador, que nos explicou como jogar contra Portugal. É por isso que melhorámos. As substituições também ajudaram. Portugal não criou oportunidades de golo. O primeiro foi um autogolo, enquanto no segundo fomos infelizes. Já o terceiro, por outro lado, foi de livre. No geral, acho que fizemos um jogo suficiente, pelo que não há razão para estarmos deprimidos ou preocupados.