Final da Europa League: Conte e o duelo do Inter com o Sevilha

"É uma final e só as melhores equipas chegam à final", afirmou o treinador do Inter ao UEFA.com.

Antonio Conte: 'Venceremos se formos melhores'
Antonio Conte: 'Venceremos se formos melhores' UEFA via Getty Images

Contratado em Maio de 2019, Antonio Conte moldou o Inter à sua imagem, com a equipa a tornar-se muito empenhada e extremamente coesa na fase final da UEFA Europa League, na Alemanha, onde garantiu um lugar na final de sexta-feira, frente ao Sevilha.

Na serie A, a equipa do técnico de 51 anos só ficou a um ponto da campeã Juventus, o seu antigo clube, e Conte está muito animado com a campanha dos “nerazzurri”. Agora espera que, de uma forma ou de outra, o Inter não tenha nada a lamentar após o duelo decisivo com o Sevilha.

A época de estreia no Inter

Todos os golos do Inter até à final
Todos os golos do Inter até à final

Ainda temos que fazer um balanço final, pois ainda falta mais um jogo que, para nós, é o desafio mais importante. É uma final, a oportunidade de conquistar um grande troféu. Considero que foi uma época globalmente positiva. Conseguimos coisas importantes e tivemos grandes melhorias.

A dupla atacante Romelu Lukaku-Lautaro Martínez

Romelu Lukaku e Lautaro Martínez têm feito uma boa dupla na Alemanha
Romelu Lukaku e Lautaro Martínez têm feito uma boa dupla na AlemanhaInter via Getty Images

Conhecia muito bem o Lukaku, porque é um jogador que seguia há algum tempo. Tentei muitas vezes contratá-lo para os meus antigos clubes, já que conhecia bem as suas características. Quanto ao Lautaro, é um jogador que comecei a admirar na televisão, embora não tivesse jogado muito no ano passado. Percebi que tinha qualidade e grande capacidade. Era inevitável que, treinando juntos e trabalhando muito, o entendimento entre os dois crescesse. São jogadores que têm o egoísmo típico dos avançados, mas também a abnegação de jogar pela equipa e ajudar os outros a marcar.

O rendimento de Diego Godín

Precisou de algum tempo para se adaptar ao nosso estilo de jogo, que é completamente diferente do que estava habituado no Atlético de Madrid. Ele teve de aprender a defender enquanto avança no terreno e a defender com 50 metros de espaço nas costas. Teve a força, o profissionalismo e a humildade para se mostrar disponível e aumentar os seus recursos em campo.

A final com o Sevilha

Vai ser um jogo difícil. Vamos defrontar a equipa com mais experiência e que mais títulos conquistou na última década nesta competição. É uma final e só as melhores equipas chegam à final. Por isso, temos que mostrar em campo que somos os melhores se quisermos ficar com o troféu.

Temos de jogar com vontade de ganhar, de forma a levar o troféu para Itália e de volta para o Inter. O Sevilha terá os mesmos planos, por isso temos de mostrar que somos a melhor equipa. Para mim, é sempre importante poder dizer aos rapazes, no final do jogo, que não temos nada a lamentar. Se formos a melhor equipa iremos erguer o troféu. Caso contrário, teremos dado o nosso melhor e teremos que aplaudir o nosso adversário.