Combata a COVID-19 seguindo as indicações da Organização Mundial de Saúde e os cinco passos da FIFA para travar a propagação da doença.

1. Lavar as mãos 2. Tossir para o antebraço 3. Não tocar no rosto 4. Manter a distância física 5. Ficar em casa.
Mais informação >
 

Radiografia do Dnipro

Com o Dnipro apurado para a final da UEFA Europa League, o nosso especialista na Ucrânia faz a radiografia ao clube duas vezes campeão da União Soviética.

Dnipro celebra após bater Club Brugge
Dnipro celebra após bater Club Brugge ©AFP/Getty Images

Bases sólidas 
Tal como muitos clubes da região, o Dnipro tem raízes na indústria e foi fundado em 1918 pela escola de tecnologia BRIT antes de ser integrado no clube desportivo da fábrica de aço de Petrovets, adequando o seu nome. Com a criação da liga da URSS, em 1936, passou a chamar-se Stal (aço) e, a partir de 1950, no âmbito do espírito soviético de exaltação do proletariado, passou a ser designado por Metallurg (metalúrgicos).

Finalmente Dnipro 
No início dos anos 60 do século passado, o clube teve um novo dono, a fábrica secreta de foguetões Yuzhmash, recebendo então o nome de Dnipro que vigora até hoje. A designação provém do rio Dnieper, o maior da Ucrânia. O Dnipro jogou durante 42 anos as partidas em casa no estádio Meteor antes de mudar-se para a recém-construída Dnipro Arena.

Trampolim para Lobanovskiy
Valeriy Lobanovskiy ganhou admiração generalizada pela sua carreira de treinador no FC Dynamo Kyiv, ainda que tenha sido no Dnipro que tudo tenha começado para o pai do futebol ucraniano. Escolhido para treinador em 1968, levou a equipa da terceira divisão à primeira liga soviética, terminando no sexto lugar no ano de estreia.

Oleh Protasov
Oleh Protasov©Getty Images

Contras todas as expectativas 
O Dnipro acabou no segundo lugar em 1987 e apesar de ver partir Lytovchenko e Protasov para o Dínamo de Kiev, a equipa de Yevhen Kucherevskiy conseguiu o seu segundo título graças, em grande parte, a uma série de 20 jogos sem perder. Na época seguinte voltou a ser vice-campeão, conquistando ainda a única Taça da Rússia do seu historial, ao mesmo tempo que em 1984/85, atingiu os quartos-de-final da Taça dos Campeões.

Virar de página 
Apesar de ter sido o primeiro clube profissional na União Soviética, após a independência da Ucrânia, o Dnipro nunca conseguiu quebrar a hegemonia do Dínamo de Kiev nem do FC Shakhtar Donetsk. Ainda assim, sob o comando de Juande Ramos, conseguiu terminar acima do terceiro lugar (foi por duas vezes vice-campeão). Contudo, foi sob a orientação de Myron Markevych que se notabiliziu nas provas europeias, atingindo as meias-finais da UEFA Europa League.

Tendências dinásticas 
No Dnipro o futebol segue as tendências famíliares. Os actuais jogadores Denys Boyko, Artem Fedetskiy, Yevhen Shakhov, Valeriy Luchkevych e Serhiy Kravchenko são todos filhos de antigos futebolistas. Contudo, apenas o pai de Yevhen Shakhov jogou no Dnipro, tendo sido campeão em 1988.

Topo