Combata a COVID-19 seguindo as indicações da Organização Mundial de Saúde e os cinco passos da FIFA para travar a propagação da doença.

1. Lavar as mãos 2. Tossir para o antebraço 3. Não tocar no rosto 4. Manter a distância física 5. Ficar em casa.
Mais informação >
 

Chivers recorda triunfo do Tottenham em 1972

Numa altura em que o Tottenham inicia nova campanha, recordamos a sua vitória na Taça UEFA de 1972 com Martin Chivers, autor de dois golos na primeira mão da final.

Martin Chivers (em cima) com Mike England, Alan Gilzean, Ralph Coates e Joe Kinnear
Martin Chivers (em cima) com Mike England, Alan Gilzean, Ralph Coates e Joe Kinnear ©Getty Images

Nenhuma equipa conseguiu mais pontos, ou marcou mais golos, na fase de grupos da UEFA Europa League do que o Tottenham Hotspur e, agora que começa mais uma campanha europeia, vale a pena recordar que causou o primeiro impacto na competição bem cedo.

Em 1971/72, a final da edição inaugural da Taça UEFA foi entre Tottenham e o rival inglês Wolverhampton Wanderers. O avançado britânico Martin Chivers, autor dos dois golos dos "spurs" na primeira mão da final, numa vitória por 2-1 rumo à conquista do troféu, falou ao UEFA.com sobre as recordações que tem desse jogo. Temos o resumo dessa final inédita no vídeo acima, bem como as memórias de Chivers, em abaixo.

Sobre o adversário na final...

"Foi estranho para as nossas mulheres porque lhes prometeram, em caso de apuramento para a final, viagem com tudo pago. Por isso começaram a sonhar com Madrid, Paris e Roma. Não ficaram propriamente encantadas por irem até Wolverhampton."

Sobre a primeira mão...

"Eu tinha um bom registo em casa do Wolverhampton, onde tinha marcado nas três visitas anteriores. Por isso era um local bom para mim e pensei que podia voltar a marcar."

Sobre o primeiro golo...

"Nunca pensei que pudesse fazer história para o Tottenham, não me apercebi que foi o primeiro golo na final da Taça UEFA. Mas foi um bom golo. Antes já tinha efectuado alguns cabeceamentos que falharam o alvo, mas depois, na segunda parte, subi mais alto e facturei de cabeça. Pensei: 'Voltei a conseguir – pelo menos mantenho o bom registo'."

Martin Chivers marca o primeiro golo em casa do Wolverhampton
Martin Chivers marca o primeiro golo em casa do Wolverhampton©Getty Images

Sobre o segundo golo...

"A poucos minutos do fim, recebi a bola perto da linha de meio-campo, efectuei alguns passes, e acabei por enfrentar a defesa contrária. Como não me pressionaram, pensei: 'Bem, que se lixe, só faltam alguns minutos.

"Efectuei o remate mais forte de que me lembro na minha carreira. E pensei: 'Se for bem enquadrado, certamente vai dificultar a tarefa do guarda-redes. E a bola entrou. Foi simplesmente fantástico'."

Após a primeira mão...

"Por causa desta partida Bill Nicholson não podia impedir-nos de beber para festejar. Apanhámos o comboio de regresso e, à chegada, estivemos na estação entre 15 a 20 minutos antes de John Pratt chegar e dizer: 'Então rapazes, não saem?' Todos olharam para ele e perguntaram: onde estamos?'. Por isso sim, festejámos. E bem."

Martin Chivers (à direita) festeja o golo de Alan Mullery na segunda mão
Martin Chivers (à direita) festeja o golo de Alan Mullery na segunda mão©Getty Images

Segunda mão...

"Pensei, 'Agora temos muito boas hipóteses, porque o Tottenham é bastante forte em casa, especialmente nos jogos europeus'. Nesses, o ambiente era simplesmente electrizante. E assim que o Alan Mullery desferiu aquele cabeceamento e ficámos com uma vantagem de dois golos, sentimos que estávamos ainda mais perto de conquistar o troféu, de nada valendo o empate do David Wagstaffe."

Topo