O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Ramos relembra defesa do troféu pelo Sevilha

"A maior parte dos jogadores nunca tinha disputado uma final europeia", relembrou Juande Ramos em relação à descontracção do Sevilha no triunfo na final da Taça UEFA de 2007 sobre o Espanhol.

Ramos relembra defesa do troféu pelo Sevilha
Ramos relembra defesa do troféu pelo Sevilha ©UEFA.com

Após ter derrotado confortavelmente o Middlesbrough FC na conquista da Taça UEFA de 2005/06, o Sevilla FC imitou o Real Madrid CF tornando-se apenas na segunda equipa a manter o troféu, ao bater o RCD Espanyol no desempate por grandes penalidades, depois de uma igualdade 2-2 em Glasgow.

Essa vitória foi menos tranquila do que a primeira, com o Espanhol a recuperar de desvantagens por duas vezes, num encontro que chegou ao final do prolongamento empatado 2-2. O guarda-redes do Sevilha, Andrés Palop, viria a ser o grande herói do desempate por grandes penalidades, que a sua equipa venceu por 3-1. "Obviamente, um desempate por grandes penalidades significa que ambas as equipas podem vencer", recorda o técnico Juande Ramos. "Mas lembro-me que Palop estava bastante confiante e que os nossos executantes das grandes penalidades, também, assim como bastante calmos."

Actual treinador do FC Dnipro Dnipropetrovsk, Ramos sentiu que vencer a final de Eindhoven, por 4-0, ajudou a sua equipa a ter essa tranquilidade. "Jogos como aquele dão-nos bastante experiência e defrontávamos o Espanhol, cuja maior parte dos seus jogadores jamais havia disputado uma final europeia, o que tornou os seus elementos mais ansiosos sobre o relvado", disse ao UEFA.com. "O Sevilha lidou bem com isso e venceu merecidamente, porque foi superior ao Espanhol, apesar de os 90 minutos terem terminado empatados."

Clique no vídeo acima para ouvir mais de Ramos sobre essa noite histórica em Glasgow.