Golos aumentam emoção na UEFA Europa League

Os 24 jogos da segunda jornada não tiveram um único nulo e produziram 68 golos, não faltando emoção, golos decisivos ao cair do pano e um triunfo histórico do Videoton sobre o Sporting.

Salim Cissé comemora o golo sensacional que marcou pela Académica
Salim Cissé comemora o golo sensacional que marcou pela Académica ©AFP/Getty Images

Com dezenas de golos, emoções fortes e nenhum empate a zero, a segunda jornada mostrou o melhor da UEFA Europa League, justificando o 'slogan' da competição em 2012/13: 'Descubra a emoção'.

A UEFA Champions League reúne as melhores equipas da Europa, mas em termos de emoção a UEFA Europa League não lhe fica atrás. Nenhum dos 24 jogos disputados na quinta-feira terminou com o marcador em branco e só três foram decididos por um golo solitário. A emotividade desta noite europeia é comprovada por resultados como o triunfo do Fenerbahçe SK, por 4-2, em casa do VfL Borussia Mönchengladbach, a vitória da Udinese Calcio por 3-2, no reduto do Liverpool FC e o frenético triunfo do Olympique Lyonnais, por 4-3, frente ao Hapoel Kiryat Shmona FC.

A UEFA Europa League é um caldeirão onde estão grandes equipas e grandes jogadores, que mistura os campeões dos países mais pequenos com equipas credenciadas que falharam a presença na UEFA Champions League e clubes que dão os primeiros passos em competições europeias. Este choque de culturas futebolísticas foi visível em Baku, no Azerbaijão, onde os campeões azeris receberam o FC Internazionale Milano, que teve de fazer uma viagem de 3.300 km para leste. Os italianos venceram por 3-1 e o segundo golo que marcaram foi o 500º nas provas da UEFA.

No entanto, esta é uma competição onde a reputação não é muito levada em linha de conta. Os clubes mais conhecidos podem esperar dificuldades quando se deslocam ao reduto de equipas menos cotadas, que estão determinadas em mostrar o seu valor ao mais alto nível. Na Hungria, o Videoton FC bateu o Sporting por 3-0, enquanto na jornada inaugural os eslovenos do NK Maribor tinham marcado três golos sem resposta ao Panathinaikos FC de Jesualdo Ferreira, que é presença habitual na UEFA Champions League.

A segunda jornada viu a experiente equipa do VfB Stuttgart perder por 2-0 em casa do Molde FK, a equipa norueguesa que é orientada pelo antigo avançado do Manchester United FC Ole Gunnar Solskjær, a quem é apontado um grande futuro como treinador. Solskjær está no lugar certo, pois a Taça UEFA e a UEFA Europa League tradicionalmente são excelentes palcos para os jovens técnicos mostrarem a sua classe.

José Mourinho, que conduziu o FC porto à conquista da Taça UEFA de 2002/03, foi um dos muitos treinadores que mostraram todo o seu génio na segunda prova mais importante das competições europeias. Depois do triunfo na época passada, o Club Atlético de Madrid espera repetir a proeza, enquanto o português André Villas-Boas, que conduziu o FC Porto ao título em 2010/11, quer voltar a brilhar na competição no comando do Tottenham Hotspur FC.

Grandes jogos, deslocações complicadas, treinadores promissores e, claro, excelentes jogadores. Não faltam capacidade ofensiva e golos extraordinários, como vimos por duas vezes esta quinta-feira, no disparo soberbo de Cristian Rodríguez, que permitiu ao Atlético de Madrid bater o FC Viktoria Plzeň em tempo de compensação e no remate acrobático de Salim Cissé, da A. Académica de Coimbra, no empate a um golo na recepção ao Hapoel Tel-Aviv FC.

Qualquer que seja o ponto de vista, a UEFA Europa League está a obrigar os adeptos do futebol a não marcarem mais nada para as noites de quinta-feira. O próximo episódio desta emotiva saga está marcado para 25 de Outubro.