Combata a COVID-19 seguindo as indicações da Organização Mundial de Saúde e os cinco passos da FIFA para travar a propagação da doença.

1. Lavar as mãos 2. Tossir para o antebraço 3. Não tocar no rosto 4. Manter a distância física 5. Ficar em casa.
Mais informação >
 

Vida tranquila permite a Zanetti bater recordes

Javier Zanetti já bateu quase todos os recordes do Inter de Milão e a revista Champions descobriu que o argentino mantém a mesma humildade do primeiro dia, em 1995, quando vestiu pela primeira vez um fato.

Javier Zanetti é o capitão do Inter há mais de dez anos
Javier Zanetti é o capitão do Inter há mais de dez anos ©Getty Images

Um saco de plástico. Não uma mala incrustada com diamantes desenhada por um estilista, chegou apenas com um saco de supermercado com as botas e os documentos. "Com licença", pediu aos adeptos, jornalistas e caçadores de autógrafos de estavam junto ao centro de estágio do FC Internazionale Milano à espera de reforços. Ninguém reconheceu Javier Zanetti, até ser demasiado tarde. "Quando subi à varanda, os adeptos não queriam acreditar. Tinha acabado de passar por eles e não faziam ideia de quem eu era, nem o porteiro."

O argentino é, sem dúvida, a estrela do futebol mundial mais humilde das últimas duas décadas e não mudou muito: o mesmo corte de cabelo e a mesma cara de bebé da apresentação em 1995, o dia em que usou pela primeira vez um fato. Poucos terão pensado na altura que se tornaria numa lenda do clube de Milão e bateria tantos recordes.

Em todos os jogos, cada vez que entra em campo, Zanetti estabelece um novo máximo. É quase impossível que alguém venha a igualar os seus recordes. Disputou mais de 1000 jogos como profissional. É o jogador mais internacional de sempre da Argentina e lidera quase todas as estatísticas do Inter, incluindo a de mais épocas como capitão, a de mais jogos na Serie A e a de mais encontros disputados.

O último recorde foi conseguido em Setembro de 2011, frente ao PFC CSKA Moskva, e é o mais recente em que destronou Giuseppe Bergomi. O contrato de Zanetti termina no final desta época, quando terá quase 40 anos, mas Bergomi, que tem a alcunha de "lo zio" ("o tio"), não pensa que o seu sucessor vá terminar a carreira a curto prazo. "Uma vez disse a brincar que poderia jogar até aos 50 anos", recordou Bergomi. "Agora acredito verdadeiramente que pode jogar até aos 45. Mantém a mesma forma. Tal como aconteceu com o Paolo Maldini, será ele a decidir o momento em que quer deixar o futebol. É sobre-humano."

"Todos os recordes são especiais, mas há dois a que dou especial importância", afirmou Zanetti. "Um é ser jogador o jogador mais internacional de sempre da Argentina, pois temos de ter em conta que é muito difícil representar um país como o meu, onde estão permanentemente a surgir jovens talentosos. O outro é ser capitão do Inter há 12 anos e ter o recorde de jogos disputados, especialmente por ser estrangeiro, o que torna isto ainda mais especial."

Existe algum segredo para esta longevidade? "Não brinco com a minha preparação. Também é importante a harmonia que gozo em casa, com uma bela família, que permite que me concentre exclusivamente no futebol. O meu segredo é treinar sempre com grande intensidade e, sempre que possível, treinar ao mesmo ritmo dos jogos." Não é difícil encontrar o argentino a treinar no centro de estágio do Inter durante o período de férias. "Os meus colegas costumam gozar-me nos treinos. 'Abranda o ritmo e deixa-nos ganhar por uma vez', brincam. Enquanto o meu corpo corresponder, vou continuar a jogar."

Este é um resumo de um artigo publicado no número 54 da revista Champions. Para ler a entrevista completa assine aqui.

Topo