CSKA quer contrariar a tradição

O CSKA de Moscovo terá de ultrapassar o peso da história numa altura em que prepara a recepção ao Parma na capital russa.

Por Paolo Menicucci

O PFC CSKA Moskva terá de contornar o peso da história quando receber o Parma FC na capital da Rússia, no segundo jogo das meias-finais da Taça UEFA.

Contexto histórico
O CSKA parece bem colocado para seguir em frente, depois de ter garantido um empate sem golos na partida da primeira mão, disputada na passada semana em Itália. No entanto, a história contraria o aparente favoritismo dos russos, que, antes desta temporada, nunca tinham chegado aos quartos-de-final de uma competição europeia. Para além disso, também não conseguiram vencer os únicos dois encontros disputados no seu terreno ante adversários transalpinos, ao perderem, por, 2-1, frente à AS Roma, na edição 1991/92 da Taça dos Vencedores das Taças, e ao empatarem (1-1) com o Parma há dois anos, em jogo da Taça UEFA. Se os italianos alcançarem o mesmo desfecho esta quinta-feira, carimbam o passaporte para a grande final de Lisboa, que se joga a 18 de Maio.

Frescura física
Todavia, os jogadores do CSKA estarão em excelentes condições físicas quando derem continuidade à missão de se tornarem na primeira equipa da capital russa a conquistar um troféu europeu. O CSKA não disputa qualquer jogo da liga doméstica desde 17 de Abril e, como consequência desta inactividade, caiu para o 11º posto do campeonato. Porém, o conjunto de Valeriy Gazzaev está a apenas seis pontos da liderança, sendo que tem dois encontros em atraso.

Parma aposta na juventude
O técnico do Parma, Pietro Carmignani, não pode contar com o castigado Fabio Vignaroli, enquanto que Marco Marchionni e Stefano Bettarini se debatem com prolongadas lesões. Carmignani deverá apostar no 3-5-2 utilizado na passada semana, com Daniele Dessena, de apenas 17 anos de idade, e Filippo Savi, de 18, a ocuparem posições centrais na zona de meio-campo.

Ruopolo titular
Os avançados titulares, Alberto Gilardino e Domenico Morfeo, devem iniciar a partida no banco de suplentes, mas poderão ser lançados se for necessário. De início, no lugar do goleador Gilardino, actuará Francesco Ruopolo. "Tenho outra grande oportunidade para jogar numa partida muito importante", referiu Ruopolo, dianteiro de 22 anos. "Espero, finalmente, apontar o meu primeiro golo pelo Parma, o que é quase uma obsessão para mim".

Ambição a subir
"No início da época, nunca pensámos que poderíamos alcançar a final, mas começámos a acreditar que estamos em condições de conseguir algo realmente importante. O CSKA vai tentar atacar muito mais do que fez no jogo da primeira mão, mas estamos prontos para defender e responder no contra-ataque".

"Nenhuma pressão"
O Parma nunca perdeu uma meia-final nas quatro presenças anteriores e apenas saiu derrotado duas vezes nos seis encontros disputados fora de casa na presente edição da Taça UEFA, números que consolidam a confiança Carmignani. "Queremos alcançar a final", afirmou o técnico do Parma. "Vamos encarar este jogo sem nenhuma pressão em particular, tal como fizémos ao longo de toda a campanha na Taça UEFA".

Suplentes experientes
"Tem sido uma experiência extraordinária para nós, porque tivemos oportunidade de lançar vários jogadores jovens. Vou começar com uma mescla de jogadores jovens e experientes e acrescentarei mais alguma experiência na segunda parte, caso o resultado ainda esteja em discussão. Espero um CSKA diferente do que vi em Parma, mas, ainda assim, penso que nos podemos qualificar".