Entrevista exclusiva com Herrera

O capitão do Porto, Héctor Herrera, falou ao UEFA.com antes do confronto com o Galatasaray na segunda jornada do Grupo D, no Estádio do Dragão.

Héctor Herrera chegou em 2013 ao Porto e desde então tem sido um dos jogadores mais importantes na equipa
Héctor Herrera chegou em 2013 ao Porto e desde então tem sido um dos jogadores mais importantes na equipa ©Getty Images

O capitão do Porto, Héctor Herrera, falou ao UEFA.com antes do confronto com o Galatasaray na segunda jornada do Grupo D, esta quarta-feira, no Estádio do Dragão.

Estreia frente ao Schalke

Foi um jogo difícil. Sabíamos que íamos defrontar um rival forte, com grande impacto físico em campo.

Resumo: Schalke 1-1 Porto
Resumo: Schalke 1-1 Porto

Favoritos a vencer a Champions League

Como sempre, os favoritos são o Real Madrid, Barcelona, Bayern e Liverpool. Há sempre clubes que podem surpreender, mas normalmente só chegam aos quartos-de-final ou às meias-finais. Uma eliminatória a duas mãos é sempre muito complicada, é possível surpreender em casa e bater um dos favoritos, mas depois é muito difícil manter essa vantagem fora.

Possibilidades do Porto

Estamos bem conscientes que esta é uma competição muito difícil, mas vamos dar o máximo para chegar o mais longe possível. O sonho de todos é chegar à final e conseguir vencer a Champions League.

Mudança para a Europa em 2013

Não é fácil mudar de país, a adaptação a um novo futebol, a outra cultura, a tantas outras coisas. O futebol é muito mais rápido, mais agressivo. Os jogadores também são mais fortes.

Veja como o Porto bateu o Bayern em 2014/15
Veja como o Porto bateu o Bayern em 2014/15

Memórias da campanha de 2014/15

Acho que foi a melhor campanha que fiz na Champions League. Conseguimos chegar longe, fui muito utilizado e foi quando marquei mais golos. Fizemos uma Champions League muito boa, mas quando se chega aos quartos-de-final ou às meias-finais encontramos as grandes equipas. No nosso caso, foi o Bayern.

Conseguimos um resultado fantástico em casa, ganhámos por 3-1, mas depois perdemos 6-1 na Alemanha. Se fosse tudo decidido num jogo, até poderíamos surpreender, mas é muito difícil eliminar as grandes equipas em duas mãos, especialmente quando são dos favoritos a vencer a competição.

Ter um compatriota na equipa [Jesús Corona]

É muito positivo. Há certos momentos em que brincamos um com o outro, as piadas são semelhantes. É um grande apoio mútuo, para mim e para ele. É sempre bom conviver com os nossos compatriotas.

Iker Casillas
Iker Casillas©Getty Images

Ter Iker Casillas no plantel

Tudo o que possa dizer dele é pouco, por tudo o que representa. É uma lenda viva do futebol, que nos dá muita segurança. Impõe respeito, traz algo diferente, e a experiência que transmite em campo também é muito importante e positiva para nós.

Auto-avaliação

Considero que sou um jogador “box-to-box”, que tanto gosta de defender como de atacar. Sou forte no jogo aéreo e nos duelos individuais. Refiro-me às recuperações, nem tanto ao ataque, mas também possa ajudar. Tenho boa visão de jogo, passo bem, chego com facilidade à área e também remato bem fora da área. Considero que estas são as minhas principais características.

Ídolo na posição de médio

Sempre foi o Juan Román Riquelme.

Topo