Barcelona recupera e vence Mönchengladbach

Os golos do suplente Arda Turan e de Gerard Piqué ajudaram o Barcelona a recuperar de desvantagem frente ao Mönchengladbach, numa vitória que lhe permitiu isolar-se no topo do Grupo C.

Highlights: See Barcelona comeback against Gladbach
Highlights: See Barcelona comeback against Gladbach

O Borussia Mönchengladbach sai desde jogo bastante desiludido, após ter deixado a vantagem escapar-se nos últimos 25 minutos.

O plano de jogo laborioso da equipa alemã parecia ir dar dividendos quando, após o golo de Thorgan Hazard na primeira parte, foi seguido por uma atitude confiante e pressão alta.

No entanto, uma finalização portentosa de Arda Turan, seis minutos após entrar em campo, fez o empate, antes de Gerard Piqué apontar o seu 11º golo na UEFA Champions League, operando a reviravolta e deixando o Barça isolado no topo do Grupo C.

Arda Turan faz o 1-1
Arda Turan faz o 1-1©Getty Images

Jogador-chave: Arda Turan
Não é fácil para alguém ser suplente do famoso trio MSN (Messi, Suárez, Neymar) do Barcelona, muito menos um homem orgulhoso que deseja vencer este torneio após a desilusão de perder a final de 2014, ao serviço do Atlético. Isso só dá mais crédito a Arda Turan, que transformou este jogo de uma derrota surpreendente para um triunfo do campeão espanhol. A sua tentativa de chapéu a Yann Sommer foi talvez o seu segundo melhor momento. O melhor? O golo notável que marcou.

Dahoud dá nas vistas
Pode ter terminado do lado dos derrotados, mas a exibição de Mahmoud Dahoud no meio-campo deve ter deixado satisfeito André Schubert, que recentemente disse que o jovem de 20 anos estava a "passar por um período difícil". Deu gosto ver o jovem alemão, nascido na Síria, exibir uma impressionante capacidade de passe, mas o cruzamento milimétrico para o golo de Thorgan Hazard foi o destaque. Schubert espera que Dahoud possa manter o nível exibicional nas próximas semanas.

Gladbach faz correr o Barça
Crédito a André Schubert por ter identificado a melhor forma de pressionar o Barcelona. Melhor ainda, os seus jogadores passaram grande parte do tempo a seguir as suas instruções à risca. Quando Luis Enrique analisar este jogo, questionar-se-á: "Porque não houve mais opções de passe?" É a imagem de marca em Camp Nou: DEVEM existir várias triangulações de passes para que o jogador com a bola tenha pelo menos duas opções assim que a recebe. Durante grande parte do tempo o Barcelona foi incapaz de criar essa geometria. E sofreu com isso.

©AFP/Getty Images
©AFP/Getty Images
©AFP/Getty Images
©AFP/Getty Images
©Getty Images
©AFP/Getty Images
©Getty Images
©AFP/Getty Images
©Getty Images