Paris volta a eliminar Chelsea

Chelsea 1-2 Paris Saint-Germain (total: 2-4)
Os visitantes conseguiram repetir o resultado da primeira mão, com Zlatan Ibrahimović a decidir, e voltaram a afastar os londrinos nos oitavos-de-final.

Highlights: See goals that put Paris through
Highlights: See goals that put Paris through

O Paris venceu em Londres por 2-1 e voltou a afastar o Chelsea nos oitavos-de-final da UEFA Champions League. Adrien Rabiot deu vantagem aos visitantes, Diego Costa empatou antes do intervalo, mas a última palavra pertenceu a Zlatan Ibrahimović, que apontou o seu 50º golo nas provas da UEFA.

O jogo teve um excelente início, com Diego Costa a testar a atenção de Kevin Trapp na baliza do Paris e os visitantes a responderem aos seis minutos, quando Lucas desmarcou Ángel Di María. O argentino trabalhou bem na área e só não inaugurou o marcador porque Branislav Ivanović afastou a bola quando Thibaut Courtois já estava batido.

A equipa de Laurent Blanc ganhou vantagem aos 16 minutos. Di Maria lançou Ibrahimović, que foi à linha cruzar para a emenda de Rabiot ao poste mais distante. Os anfitriões responderam aos 27 minutos. Willian trabalhou bem à entrada da área e serviu Diego Costa, com o internacional espanhol a ultrapassar de forma sensacional a marcação de Thiago Silva e a bater Trapp. O avançado do Chelsea voltou a ameaçar o guarda-redes alemão em período de compensação, mas Trapp estirou-se bem e o marcador não sofreu alterações até ao intervalo.

O primeiro momento de emoção do segundo tempo surgiu apenas aos 65 minutos. Willian rematou forte e colocado da fora da área, Trapp defendeu com uma bela estirada e conseguiu recuperar o equilíbrio a tempo de desviar a recarga de Eden Hazard. O Paris foi letal na resposta, dois minutos depois, quando Thiago Silva lançou Di Maria pela esquerda e o argentino fez um cruzamento milimétrico para o 50º golo de Ibrahimović nas competições europeias. 

A dupla atacante do Paris esteve perto de voltar a fazer estragos aos 80 minutos, mas o sueco falhou a emenda à boca da baliza. A equipa de Guus Hiddink acusou muito a saída de Diego Costa por lesão e tornou-se quase inofensiva, merecendo apenas destaque os remates, após jogadas individuais, dos espanhóis Cesc Fàbregas e Pedro Rodríguez, ficando bem evidente que os anfitriões não conseguiriam marcar os dois golos que precisavam para evitar a eliminação.