Real imperial termina reinado do Bayern

FC Bayern München0-4 Real Madrid CF (total: 0-5)
Cristiano Ronaldo imitou Sergio Ramos ao bisar em Munique e ajudou o Real Madrid a chegar à sua 13ª final.

Bayern 0-4 Real Madrid: a história em fotos ©AFP/Getty Images

O Real Madrid CF apurou-se pela primeira vez em 12 anos para a final da UEFA Champions League, a disputar no dia 24 de Maio, em Lisboa, após impor uma vitória por 4-0 ao terreno do campeão FC Bayern München.

Dois golos madrugadores de cabeça da autoria de Sergio Ramos e outros tantos de Cristiano Ronaldo – cujos 16 tentos o tornaram no melhor marcador numa só edição da prova – ajudaram os "merengues" a impor ao detentor do troféu a maior derrota em casa na Europa. Contudo,  Xabi Alonso vai falhar a final do Estádio do Sport Lisboa e Benfica, em Lisboa, devido a ter visto um cartão amarelo durante a etapa inicial.

Os primeiros sinais da partida deixaram claro que Bayern e Real Madrid iriam repetir as estratégias da primeira mão, com os locais a privilegiar a posse e os espanhóis os velozes contra-ataques. E se a velocidade de Di Maria, Gareth Bale e de Ronaldo cedo começou a criar ansiedade nos alemães, que viram Manuel Neuer (9) falhar um corte de cabeça e deixar a baliza à mercê de Bale que atirou para a bancada. O que se seguiu foi letal.

Em quatro minutos, o Real Madrid sentenciou a partida, com duas cabeçadas fulgurantes de Ramos (16 e 20). O Bayern tentou meter velocidade no jogo mas pouco mais conseguiu do que um remate de Frank Ribéry (25) que falhou o alvo. A elevada posse de bola pouco ou nada acrescentava à eficácia defensiva dos visitantes.

Depois foi a vez de Ronaldo deixar a sua marca, primeiro numa arrancada (27) culminada com um remate ao lado e, dez minutos depois quando, num pontapé do meio-campo, tentou aproveitar o segundo mau corte da noite de Neuer. Pelo meio, a concluir um contra-ataque em que Karim Benzema lançou Bale e o galês, na área, libertou para o português, a Champions League conheceu um novo recorde, com o 15º golo de CR7 na competição a fazer dele o máximo goleador de sempre numa só edição.

Arjen Robben (57) e Ribéry (60) provocaram os primeiros momentos de sobressalto a Iker Casillas, com o primeiro a tirar tinta do poste e o segundo a ser seguro no solo. Na outra área (65), Fábio Coentrão também alinhou no desperdício.

Com o Bayern à procura de minimizar os prejuízos, o recém-entrado Mario Götze (76) atirou sobre o travessão e logo depois Toni Kroos deu igual destino à bola, com o Real a limitar-se à gestão do tempo e do esforço, sabedor que só com cinco golos o Bayern lhe roubaria a presença em Lisboa. Mas ainda houve tempo para Ronaldo marcar de livre directo perto do fim.