O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Nápoles deixa a sua marca em Marselha

Olympique de Marseille 1-2 SSC Napoli
José Callejón e Duván Zapata marcaram em cada uma das partes, fazendo os visitantes ascender à liderança conjunta do Grupo F.

José Callejón (à direita) festeja após colocar o Nápoles em vantagem aos 42 minutos
José Callejón (à direita) festeja após colocar o Nápoles em vantagem aos 42 minutos ©AFP/Getty Images

O SSC Napoli teve um excelente desempenho no Sul de França colocando-se na liderança conjunta do Grupo F, com José Callejón e Duván Zapata a marcarem na vitória por 2-1, que fez os anfitriões ficarem ainda mais perto da eliminação.

Jogando com velocidade e propósito desde o início, os homens de Rafael Benítez chegaram a uma merecida vantagem, perto do intervalo, através de Callejón, respondendo com clareza aos rivais com a entrada em campo do suplente Zapata, aos 67 minutos. André Ayew marcou, perto do fim para os locais, mas já com o Nápoles a dividir a liderança com o Arsenal FC e o Borussia Dortmund, enquanto o Marselha continua sem somar qualquer ponto.

O vento varreu a relva do Stade Vélodrome nos momentos iniciais e o mesmo fez a equipa visitante, com Dries Mertens cheio de energia à esquerda. Ansioso por brilhar na sua estreia a titular na UEFA Champions League, o atacante belga ganhou uma falta dentro dos primeiros três minutos e forçou Steve Mandanda a desviar fora no consequente livre directo.

Mertens esteve na origem do muito que o Nápoles fez bem, servindo também Pablo Armero que rematou ao lado, após o que o Marselha, finalmente, anunciou a sua presença através de uma tentativa de Benoît Cheyrou, que falhou o alvo. Apesar dessa abertura, os homens de Élie Baup lutaram para conseguir lances ofensivos, mas faziam-no com menos precisão e ritmo que os seus adversários.

A oportunidade seguinte do OM surgiu de um pontapé de canto. Souleymane Diawara cabeceou para Pepe Reina que imediatamente lançou um contra-ataque. Mertens serviu Gonzalo Higuaín, com o avançado argentino, com tempo para escolher o lado, a rematar para fora. Mais tarde, um lançamento sublime fez Callejón ganhar a Rod Fanni e rematar fora do alcance de Mandanda.

Com a esperança de qualificação a rapidamente esvair-se, os anfitriões aumentaram de intensidade após o intervalo e André-Pierre Gignac viu um remate seu bloqueado depois de uma excelente corrida. Os espaços, inevitavelmente, começaram a aparecer na outra extremidade e Gökhan Inler tentou a sorte de longe, antes de Callejón testar Mandanda com um remate de fora da área depois de um canto parcialmente aliviado.

E foi de fora da área que os "partenopei" dobraram a vantagem, com Mertens a fazer chegar a bola para a esquerda onde Zapata atirou forte fazendo a bola entrar sob o travessão. Os ataques do Marselha continuavam a bater na retaguarda sólida napolitana até que Ayew fez um remate em vólei, a cerca de 20 metros, fazendo a bola passar além de Pepe Reina. Como aconteceu contra o Arsenal na primeira jornada, o golo perto do final foi de pouca consolação.