O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Perfil do semifinalista: Chelsea

Apesar da época complicada em Stamford Bridge, o Chelsea está uma vez mais nas meias-finais da UEFA Champions League e parece ter chegado à boa forma na altura certa.

Perfil do semifinalista: Chelsea ©Getty Images

Para o Chelsea FC, chegar às meias-finais da UEFA Champions League não é propriamente uma experiência nova. Esta será a sua sexta presença nesta fase nas últimas nove edições da principal prova de clubes do panorama europeu. Considerado um dos principais favoritos em épocas anteriores, esta época, no entanto, a chegada a esta fase contrariou as previsões de muitos, dada a irregularidade de forma patenteada. Tendo convivido de perto com a glória no passado recente, o clube londrino não deixa de estar, no entanto, a três jogos de erguer o famoso troféu pela primeira vez na sua história. Mas, antes de mais, terá de defrontar um adversário bem conhecido.

História da temporada
Tem sido uma época complicada em Stamford Bridge. Há muito arredado da luta pelo título inglês, o Chelsea demitiu o treinador português André Villas-Boas, após a derrota na primeira mão dos oitavos-de-final, contra o SSC Napoli. Desde que Roberto di Matteo assumiu interinamente o comando técnico e, depois de um panorama quase negro no início de 2012, o Chelsea chegou às meias-finais da UEFA Champions League e da Taça de Inglaterra, tendo a possibilidade de terminar em alta uma época que parecia completamente perdida.

Registo nas meias-finais 
J5 V1 D4
Última: 2008/09 - FC Barcelona (0-0 fora, 1-1 casa)

Registo frente ao adversário das meias-finais 
O Chelsea – Barcelona tem sido um dos mais aguardados duelos na história recente da UEFA Champions League. Os encontros entre as equipas de José Mourinho e de Frank Rijkaard deram o mote e o derradeiro duelo entre as duas formações também aconteceu nas meias-finais, quando o tento de Andrés Iniesta nos descontos apurou os catalães para a final de forma absolutamente emocionante.

Meia-final da UEFA Champions League de 2008/09 
FC Barcelona 0-0 Chelsea FC
Chelsea FC 1-1 FC Barcelona (total 1-1, Barcelona vence no desempate por golos fora de casa)

Fase de grupos da UEFA Champions League de 2006/07 
Chelsea FC 1-0 FC Barcelona
FC Barcelona 2-2 Chelsea FC

Oitavos-de-final da UEFA Champions League de 2005/06
Chelsea FC 1-2 FC Barcelona
FC Barcelona 1-1 Chelsea FC (total 3-2)

Oitavos-de-final da UEFA Champions League de 2004/05
FC Barcelona 2-1 Chelsea FC
Chelsea FC 4-2 FC Barcelona (total 5-4)

Quartos-de-final da UEFA Champions League de 1999/2000 
Chelsea FC 3-1 FC Barcelona
FC Barcelona 5-1 Chelsea FC (após prolongamento, total 6-4)

Momento-chave da época
O Chelsea teve de aplicar-se bem a fundo por mais do que uma ocasião esta época. Precisou de derrotar o Valência na sexta jornada para ultrapassar a fase de grupos e teve de sobreviver a um início de jogo bastante periclitante no triunfo sobre um Benfica reduzido a dez elementos, nos quartos-de-final. Contudo, o jogo da segunda mão dos oitavos-de-final frente ao Nápoles marcou o regresso do Chelsea ao seu melhor, ao recuperar, em Stamford Bridge, de uma derrota por 3-1. Após a decisão da eliminatória ter transitado para o prolongamento, Branislav Ivanović marcou, aos 105 minutos, o tento que deixou os adeptos dos "blues" em delírio.

Frase
Roberto Di Matteo, treinador interino do Chelsea
"O Barcelona é, provavelmente, uma das melhores equipas do Mundo, se não mesmo a melhor. Eles serão os favoritos, mas acreditamos bastante em nós próprios. Temos de exibir-nos ao nosso melhor nível para podermos ganhar e acreditamos que podemos consegui-lo".

Melhor marcador 
O total de quatro golos de Didier Drogba nas competições europeias pode ser modesto, mas o facto de ter sido titular apenas em quatro ocasiões reforça o impacto que o experiente marfinense ainda pode causar. Além do mais, Drogba tem a tendência para marcar em momentos decisivos: facturou por duas vezes no triunfo por 3-0 sobre o Valência e deu início à recuperação frente ao Nápoles com o tento inaugural na segunda mão.

O herói discreto
Muito se tem falado da chamada "velha guarda" do Chelsea – figuras como Frank Lampard, John Terry ou Drogba – e da sua contribuição para o ressurgimento dos "blues". No entanto, alguns dos elementos mais novos também se têm destacado – incluindo David Luiz. Com Terry várias vezes ausente devido a lesão, David Luiz assumiu bem o comando da defesa e é o único jogador de campo do Chelsea totalista na presente edição da UEFA Champions League. Foi incrivelmente sólido no triunfo em Lisboa frente à sua antiga equipa, o Benfica, por 1-0, e até marcou um golo ao Bayer 04 Leverkusen.