O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

APOEL com tudo em aberto, diz Boaventura

William Boaventura afirmou que o APOEL é uma equipa que "sente sempre dificuldades fora e depois vence em casa", mostrando-se confiante na eliminação do Lyon, apesar da derrota por 1-0.

William Boaventura disputa um lance com Lisandro no encontro de Lyon
William Boaventura disputa um lance com Lisandro no encontro de Lyon ©Getty Images

William Boaventura acredita que o APOEL FC tem todas as possibilidades de chegar aos quartos-de-final apesar da derrota pela margem mínima no reduto do Olympique Lyonnais. "Em Nicósia as coisas vão ser diferentes", deixou escapar o defesa-esquerdo.

Naquela que constituiu a sua estreia nas rondas a eliminar, o campeão de Chipre resistiu à pressão contrária e apenas foi batido graças a um remate de Alexandre Lacazette, que desviou em Paulo Jorge antes de entrar na baliza, no minuto 58. Apesar dos comandados de Ivan Jovanović terem criado pouco perigo, Boaventura insiste que têm capacidade para dar a volta à eliminatória em casa.

"Não digo que estou satisfeito com o resultado, mas 1-0 não é uma grande diferença", disse o brasileiro ao UEFA.com. "O Lyon teve apenas duas oportunidades de golo e marcou numa delas. Foi pena não termos empatado, mas as coisas são assim."

O APOEL derrotou o FC Porto e o FC Zenit St Petersburg em casa na fase de grupos, pelo que Boaventura – que festejou 32 anos na terça-feira – está confiante em mais um triunfo a 7 de Março. "O Lyon é uma equipa muito boa", disse. "Chegam a esta fase da prova todos os anos e é natural que as pessoas esperem que eles nos ganhem."

"Seria uma enorme surpresa se eles perdessem", continuou, "mas não vamos desistir sem dar tudo. Temos tendência para ter dificuldades fora e depois vencer em casa. Temos de jogar melhor, de fazer o nosso jogo, mas acredito que vamos dar a volta à eliminatória em casa.

As palavras positivas de Boaventura foram partilhadas pelos companheiros, aliviados por terem sobrevivido a um teste complicado. Ivan Tričkovski ficou impressionado com a rapidez da equipa da casa, mas, apesar disso, continua optimista. "Tentámos manter o Lyon fora da nossa área o mais que conseguimos, mas eles são bons e jogam a um ritmo alto", disse o "playmaker", de 24 anos. "Podemos ter perdido, mas temos um jogo em casa ainda. Ainda não acabou".

Aílton, por seu lado, agradeceu aos adeptos que se deslocaram de Chipre para dar um grande apoio. "Os adeptos foram fantásticos", disse o brasileiro. "Vimos bem a quantidade deles que nos vieram aqui a apoiar". O avançado, de 27 anos, acrescentou: "Apesar da derrota, temos ainda esperança e o sonho ainda está vivo. Não é impossível dar a volta a este resultado".