O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Dutt enaltece desafio do Barcelona

O treinador do Leverkusen, Robin Dutt, insiste que a preparação para o jogo com o Barcelona, da UEFA Champions League, é "muito divertida", enquanto Josep Guardiola está "entusiasmado" com os oitavos-de-final.

O treinador do Bayer Leverkusen, Robin Dutt, tem gostado de preparar o embate com o Barça
O treinador do Bayer Leverkusen, Robin Dutt, tem gostado de preparar o embate com o Barça ©Getty Images

O treinador do Bayer 04 Leverkusen, Robin Dutt, tenta focar-se nos aspectos positivos no duelo frente ao campeão europeu, nos oitavos-de-final da UEFA Champions League. A esse propósito, disse que assistir a vídeos do adversário de terça-feira à noite tem permitido aos seus jogadores verem "jogos muito bons". Entretanto, o técnico do FC Barcelona, Josep Guardiola, revelou que os vários títulos conquistados ultimamente constituem um fardo difícil de suportar para si: "Agora, quase dá a sensação de que é um falhanço se não ganharmos a UEFA Champions League", disse na conferência de imprensa desta segunda-feira.

Leverkusen
Robin Dutt, treinador
Preparar um jogo destes é muito divertido: nos vídeos que temos do Barcelona é possível ver jogos muito bons. Estou ansioso por dar à minha equipa algumas dicas, mas se quisermos causar sensação, muitas coisas têm de bater certo.

Já mostrámos a nossa força na UEFA Champions League: nunca desistimos. Mesmo sob pressão somos capazes de criar problemas às equipas de topo – afirmámo-nos num grupo que continha Valência e Chelsea. Acreditamos que, num dia bom, podemos fazer qualquer coisa. Já aconteceu esta época e na terça-feira vamos voltar a mostrá-lo.

Existem diferentes formas de bater o Barcelona. Pode-se optar por uma postura marcadamente defensiva, como o Inter fez, com sucesso [nas meias-finais da época 2009/10], colocando dez jogadores atrás da linha-da-bola. Ou então a abordagem ofensiva, com bastante pressão, que o Valência utilizou para alcançar dois empates. Mas no fim de contas, a maior parte das equipas perde. Independentemente da táctica que se utiliza, é preciso estar preparado para o Barcelona ter entre 65 a 70 por cento de posse de bola e a única hipótese de sucesso é aproveitar as oportunidades de que se dispõe e o Barcelona estar num dia mau.

Resultado do fim-de-semana
Sábado, 11 de Fevereiro: Borussia Dortmund 1-0 Leverkusen (Kagawa 45)
Leno; Ćorluka (Bellarabi 75), Schwaab, Friedrich, Oczipka; Reinartz; Castro, Rolfes (Renato Augusto 61); L Bender; Kiessling, Schürrle

• O Leverkusen, sem Michal Kadlec, castigado, sofreu uma derrota que o deixa com um ponto somado nos últimos sete jogos, todas as competições incluídas. Foi, no entanto, apenas a segunda derrota em 12 jogos desde o desaire com o Valencia CF, a 1 de Novembro; seis terminaram empatados. A equipa de Robin Dutt não sofreu golos em apenas cinco dos últimos 23 jogos, todas as competições incluídas.

Notícias da equipa
Dutt estuda a hipótese de dar a titularidade a Renato Augusto, já que Michael Ballack é baixa garantida, devido a uma lesão nos gémeos sofrida durante o treino de domingo, juntando-se a Sidney Sam (coxa) e Eren Derdiyok (corte num pé) na lista de lesionados. O habitual guarda-redes titular, René Adler, e Tranquillo Barnetta são lesionados de longa data, devido a problemas num joelho.

Barcelona
Josep Guardiola, treinador

Os oitavos-de-final da UEFA Champions League são sempre algo bom. Estou preocupado com as qualidades do Bayer Leverkusen. Dá para ver como é bom pela forma como ultrapassou a fase de grupos. Pode praticar um estilo de jogo variado com a bola em sua posse, pode contra-atacar e já marcou muitos golos em lances de bola parada. O [Stefan] Kiessling é perigoso e possui bons jogadores no apoio ao ataque, que podem assumir o controlo da partida e causar-nos problemas. Os oitavos-de-final são entusiasmantes, é quando a UEFA Champions League realmente começa. Assistimos a isso em Estugarda [em 2009/10], quando empatámos 1-1. Foi um momento difícil.

Os desaires fazem parte do futebol. Temos que regressar à forma que nos celebrizou. Os últimos anos mostraram o quanto é difícil defender o título da UEFA Champions League. O Milan conseguiu-o, mas na altura ainda não existia a UEFA Champions League. Agora, dá a sensação de que é um falhanço se não conseguirmos ganhar a UEFA Champions League, de que não temos escolha a não ser vencer o torneio, como se isso fosse a coisa mais fácil do Mundo. Esta prova continua ser difícil e sempre o foi nos oitavos-de-final.

Resultado do fim-de-semana
Sábado, 11 de Fevereiro: CA Osasuna 3-2 Barcelona (Lekić 4 22, Raúl García 56; Sánchez 51, Tello 73)
Valdés; Alves, Puyol (Cuenca 46), Piqué (Fàbregas 71), Abidal; Thiago Alcántara, Mascherano, Sergi; Sánchez, Messi, Pedro (Tello 45)

• A série invicta de 18 jogos da equipa de Josep Guardiola, com 14 vitórias incluídas, terminou frente ao Osasuna, equipa que tinha goleado por 8-0 em Setembro. Foi a segunda derrota do Barcelona em 47 jogos e assinalou a primeira vez, nos últimos 70 jogos, que os catalães sofreram três golos. Não acontecia desde a derrota por 3-1 com o Real Betis Balompié, em partida a contar para a Taça de Espanha, realizada a 19 de Janeiro de 2011.

Notícias da equipa
Pedro Rodríguez regressou à competição frente ao Osasuna, depois de quatro jogos ausente devido a uma distensão nos adutores. Sergio Busquets não joga desde que sofreu um corte num joelho, a 4 de Fevereiro, enquanto David Villa e Ibrahim Afellay são lesionados de longa data, com problemas nos ligamentos dos joelhos.

Factos
O Leverkusen registou três vitórias caseiras consecutivas na fase de grupos, incluindo o sucesso por 2-1 frente ao Valência, mas tem motivos para temer os opositores espanhóis. Na UEFA Europa League da época passada ganhou quatro dos seis jogos disputados em casa, mas as duas excepções foram frente a Club Atlético de Madrid (1-1), na fase de grupos, e Villarreal CF (2-3), o seu carrasco nos oitavos-de-final.