O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Desempenho fora do Marselha preocupa Arsenal

Arsène Wenger avisou o Arsenal relativamente ao poder do contra-ataque do Marselha, isto numa altura em que a sua equipa procura vencer no Grupo F e passar aos oitavos-de-final.

Arsène Wenger no treino de segunda-feira do Arsenal
Arsène Wenger no treino de segunda-feira do Arsenal ©Getty Images

Depois de ver o Arsenal FC prolongar a sua recuperação com uma vitória por 5-3 em casa do Chelsea FC, Arsène Wenger não se mostra demasiado confiante quanto à visita do Olympique de Marseille, num jogo em que o líder do Grupo F procura uma vitória para garantir um lugar nos oitavos-de-final. O Marselha tem apenas menos um ponto dos que os ingleses, frente aos quais perderam há duas semanas, em casa, por 1-0.

Arsenal 
Treinador Arsène Wenger
Sempre estive muito confiante. Acredito que no futebol as linhas [entre as vitórias e as derrotas] são muito ténues, mesmo quando se vem de uma grande vitória. Voltámos a constatar isso no sábado. De uma equipa que [há umas semanas] jogava para não descer de divisão, para uma equipa que agora é 'imbatível', ainda temos de evoluir. Estou muito positivo e claro que acredito na qualidade. Mas vejo que entre os jogadores há uma enorme vontade de se manter a concentração, de melhorar e há bastante solidariedade na equipa – é por isso que sempre estive optimista.

Creio que [o Marselha] tem uma equipa (mais talhada] para jogar fora e outra em casa. Sabe defender e é muito forte fisicamente e rápida no contra-ataque. Acho que o contra-ataque lhes é mais conveniente do que o domínio da posse de bola. Eles ganharam confiança, como nós, desde o último jogo, por isso vai ser um confronto interessante. Para nós, é uma oportunidade de nos apurarmos amanhã e queremos aproveitá-la.

Resultado do fim-de-semana
Sábado: Chelsea FC 3-5 Arsenal (Lampard 14, Terry 45, Mata 80; Van Persie 36 85 90+2, Santos 49, Walcott 55)
Szczęsny; Mertesacker, Koscielny, Santos, Djourou (Jenkinson 76); Arteta, Song, Walcott (Rosický 79), Ramsey, Gervinho (Vermaelen 88); Van Persie

• Robin van Persie elevou a sua conta pessoal para 28 golos em 27 jogos no campeonato em 2011, num dia em que o Arsenal pôs fim à série de oito jogos fora sem vencer – a maior de sempre na Premier League. No entanto, foi apenas a sua quinta vitória consecutiva, em casa e fora, em todas as competições, e a 500ª de Arsène Wenger como treinador do Arsenal.

Notícias da equipa 
Kieran Gibbs e Maroune Chamakh estão impedidos de jogar, o primeiro devido a um problema muscular no abdómen e o segundo por causa de uma lesão num joelho, ao passo que Jack Wilshere (tornozelo) e Bacary Sagna (fractura numa perna) são ausências de longo prazo. Por sua vez, Abou Diaby está perto do regresso à plena forma, depois de um problema num tornozelo que o impediu de se estrear na presente temporada.

Marselha
Treinador Didier Deschamps

O futebol não é uma ciência exacta. Pode jogar-se bem, controlando o jogo, e perder. Mas tecnologia pode ser ao contrário. O jogo de há duas semanas foi bastante equilibrado. Devia ter acabado em 0-0, mas não se pode alterar o passado.

O Arsenal fez uma grande exibição para marcar cinco golos contra o Chelsea. Têm um excelente trio de ataque e claro que Robin van Persie está em excelente forma. É decerto um dos melhores jogadores da Europa. O que se pede a um avançado é que marque golos e o rendimento dele é, de facto, impressionante. Mas talvez jogue numa equipa que gosta de o ajudar; há jogadores como Gervinho ou [Theo] Walcott que preferem dar-lhe a bola a rematar. Marcá-lo bem será, possivelmente, o melhor que temos a fazer; temos de impedir que a bola chegue até ele.

Ganhar em Londres seria fantástico, mas conseguir um ponto também seria um feito enorme. O nosso jogo mais importante será, possivelmente, o que se segue, diante do Olympiakos. Tudo é possível. O mais importante para mim e para os jogadores é acreditar que podemos sair daqui com um bom resultado. É nisso que temos de nos concentrar.

Resultado no fim-de-semana
Sábado: Dijon FCO 2-3 Marseille (Jovial 46, Corgnet 63; Rémy 1, Cheyrou 11, Diarra 82)
Mandanda; Morel, N'Koulou, Diawara, Fanni; Cheyrou (Diarra 61), Kaboré, A Ayew, Amalfitano (Valbuena 61); Rémy, J Ayew (Gignac 78)

• Tendo precisado de dez jogos para conseguir as três primeiras vitórias desta temporada, o Marselha conseguiu agora três triunfos seguidos. O golo da vitória apontado por Alou Diarra foi o seu primeiro pelo clube.

Notícias da equipa
Mesmo com dores numa virilha, André-Pierre Gignac jogou contra o Dijon. Stéphane Mbia continua afastado da equipa devido a uma lesão num metatarso sofrida a 14 de Agosto.

Estatística
O Arsenal defrontou equipas francesas em casa em sete ocasiões: venceu três vezes, empatou duas e perdeu outras tantas. O último encontro aconteceu em 2002/2003, ante o AJ Auxerre, na primeira fase de grupos da UEFA Champions League, cuja vitória sorriu aos visitantes, por 2-1. Na temporada anterior, os "gunners" tinham recebido o Olympique Lyonnais na segunda fase de grupos da mesma competição e empataram 1-1.