Braga confiante para a final

"Seis vitórias em seis jogos" dão a Dito, treinador de Braga, esperança e confiança para a final, onde também estará uma equipa de Leinster & Munster "sem pressão".

Dito e Gerry Smith posam com o troféu da Taça das Regiões da UEFA
©Sportsfile

Braga precisou de esperar dez anos para voltar a marcar presença na final da Taça das Regiões da UEFA, mas os anfitriões estão confiantes que irão ser mais felizes desta feita, ou não tivessem um registo 100 por cento vitorioso na prova até ao momento. O último obstáculo na caminhada da equipa minhota dá pelo nome de Leinster & Munster, com os irlandeses a abordarem o encontro de Barcelos "sem pressão".

A formação de Braga foi derrotada na final de 2001, tendo os checos do Central Moravia levado a melhor por 4-2 no desempate por grandes penalidades, mas a forma evidenciada pelos comandados de Dito abre boas perspectivas para aquele que seria o primeiro triunfo português na mais importante competição amadora da Europa. Dito, que somou 17 internacionalizações por Portugal ao longo de uma bem sucedida carreira como defesa-central, está ciente da importância da ocasião, ao mesmo tempo que revela que os seus jogadores estão tranquilos para o embate desta terça-feira (18h30) no Estádio Cidade de Barcelos.

"Estamos aqui após termos somado seis vitórias nos seis jogos que já levamos desde a Fase intermédia", disse o técnico de 49 anos de idade. "Marcámos 17 golos durante esse percurso, pelo que vamos abordar o jogo da final plenos de confiança. Embora seja uma oportunidade única para eles, os meus jogadores estão muito calmos e relaxados. Eles estão perfeitamente conscientes que falta apenas mais um encontro para poderem fazer história".

Gerry Smith, cuja formação de Leinster & Munster garantiu o apuramento no Grupo B na sequência de duas vitórias e um empate, não se importa de atribuir o favoritismo ao adversário. "Vamos tentar desfrutar desta oportunidade", disse. "Tudo se vai decidir num único jogo e, tal como o Dito disse, vão estar em campo duas equipas com estilos de jogo bem diferentes. O nosso ainda pode ser considerado tipicamente britânico, mas temos tentado desviar-nos um pouco desse sistema. Somos uma equipa que trabalha muito durante os 90 minutos e vamos estar nesta final sem qualquer tipo de pressão. Esse factor está do lado dos anfitriões e é deles a maior responsabilidade de vencer a competição."

Campeão português em 1987 com a camisola do Benfica, Dito sabe bem o que é vencer ao mais alto nível, mas o mesmo não se aplica ao seu homólogo irlandês, para quem atingir a final já é uma recompensa pelos mais de dez anos que já leva à frente dos destinos da equipa amadora da República da Irlanda. "Nunca tive o privilégio de representar o meu país como o Dito, mas marcar presença nesta final é algo de fantástico para um país tão pequeno como o nosso", sustentou Smith.

"Se alguém me dissesse que iríamos estar na final há uma semana, quando chegámos aqui, mal conseguiria acreditar. Estamos ansiosos pelo apito inicial e este tipo de experiências não acontecem todos os dias. Atingir uma final europeia é um feito memorável. Tive de me beliscar esta manhã quando acordei para ter a certeza que nos apuramos para a final, onde iremos defrontar uma grande nação do futebol e um excelente treinador".

Para Dito, a missão ainda não chegou ao fim, sendo que se Braga quiser tornar-se a primeira equipa portuguesa a conquistar a prova terá de derrubar a muralha defensiva de Leinster & Munster, apenas batida por uma vez nas seis partidas que disputou na edição 2010/11 da competição. "O nosso primeiro objectivo era conseguir o apuramento para a final", acrescentou Dito. "Toda a informação que recolhemos antes do torneio apontava para que a equipa irlandesa fosse uma das grandes favoritas à conquista da prova e isso concretizou-se. Eles estão aqui com todo o mérito".

Topo