Jogadores alvo de estudo exaustivo

O Observatório dos Futebolistas Profissionais, que já havia trabalhado com a UEFA em várias ocasiões, completou um estudo demográfico sobre futebolistas que actuam ao mais alto nível na Europa.

Cristiano Ronaldo (Manchester United) e José Bosingwa (Chelsea) são ambos futebolistas internacionais a actuarem no estrangeiro
Cristiano Ronaldo (Manchester United) e José Bosingwa (Chelsea) são ambos futebolistas internacionais a actuarem no estrangeiro ©Getty Images

O Observatório dos Futebolistas Profissionais (PFPO*), que já havia trabalhado com a UEFA em várias ocasiões, completou um estudo demográfico sobre futebolistas que actuam ao mais alto nível na Europa.

Primeiro no género
O estudo engloba 30 Ligas, 456 clubes e 11.015 futebolistas que evoluem no continente europeu e cobre assuntos como o recrutamento, treino, emprego e mobilidade dos atletas. A idade e altura média dos jogadores, percentagem de internacionais pelas selecções principais dos respectivos países e de atletas estrangeiros num determinado país são vários dos itens incluídos neste estudo – o primeiro no género.

Análise sistemática
Os dados apurados resultam de uma análise sistematizada levada a efeito em Setembro e Outubro de 2008. O critério para a inclusão no estudo era que os futebolistas participassem em, pelo menos, um jogo nos respectivos campeonatos desde o início da temporada ou que tivessem participado em encontros de categorias profissionais durante as duas temporadas anteriores. A informação foi apurada através da combinação e cruzamento de bases de dados electrónicas e "sites" das federações dos países europeus.

Mais velhos em Itália
A Liga italiana é aquela que apresenta os jogadores mais velhos – média de 26,9 anos –, enquanto a croata integra os mais novos (24,1 anos). O estudo indica que os clubes com melhores resultados desportivos preferem, na generalidade, jogadores experientes, enquanto os jovens talentos actuam em clubes menos fortes. Também se observa que, em média, os futebolistas mais experientes actuam na defesa, enquanto os mais jovens ocupam os lugares mais avançados no terreno. Participaram nos campeonatos principais um total de 88 jogadores com idade inferior a 18 anos. Três quartos desses atletas têm uma estatura entre 1,75 e 1,89 m de altura, com guarda-redes e defesas a tenderem a ser mais altos que os médios ou os avançados.

Internacionais
A percentagem de futebolistas internacionais – jogadores que tenham representado os respectivos países através das suas selecções principais, pelo menos numa ocasião –, entre os mais de 11 mil executantes deste estudo, é de 27,8 por cento, sendo que a percentagem varia entre Ligas. A Inglaterra tem o valor mais alto, com 64,8 por cento, enquanto o Manchester United FC (88,9 por cento) tem a mais alta proporção de jogadores internacionais no seu plantel. A maior parte dos internacionais joga nas melhores Ligas, uma condição essencial para o sucesso das selecções nacionais.

Estrangeiros em Portugal
Por média, o estudo indica que os clubes europeus empregam 8,6 futebolistas estrangeiros, o que significa um aumento considerável nos últimos cinco anos. O mais elevado número de jogadores importados regista-se em Inglaterra (59,1 por cento). A percentagem de estrangeiros é superior à metade em Portugal, Bélgica, Alemanha, Grécia e Rússia, enquanto a Sérvia tem o menor número de futebolistas expatriados no seu campeonato (14,9 por cento). Apenas 11 dos 456 clubes que constam do estudo não tinham estrangeiros nas suas fileiras. Os principais países exportadores de futebolistas são o Brasil, França e Argentina.

Futuro optimista
Futuros estudos da PFPO incluirão informações sobre os treinadores e a UEFA Champions League. "Estamos muito satisfeitos ao constatar que o nosso Observatório continua a crescer", indica o grupo no seu relatório. "Graças à confiança que nos foi depositada por parceiros como a UEFA, podemos olhar para o futuro com muito optimismo".

Clique aqui para ler o relatório completo (em inglês).

* O PFPO é um grupo de pesquisa suíço/francês filiado no Centro Internacional Para Estudos Desportivos (ICSS [CIES]) da Universidade de Neuchâtel, na Suíça, e no Laboratório Théma da Universidade de Franche-Comté, em França. Poderá aceder ao seu "site" clicando aqui.

Topo