O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Aleksander Čeferin reitera apoio da UEFA ao Pacto Ecológico Europeu

O organismo gestor do futebol europeu está "pronto para fazer tudo o que estiver ao seu alcance" para ajudar a alcançar o objectivo da UE para uma economia amiga do ambiente até 2050.

​

Esta quarta-feira, o Presidente Aleksander Čeferin anunciou o apoio da UEFA ao Pacto Ecológico Europeu, apelando para que se use o alcance global do futebol de modo a aumentar a consciencialização sobre a emergência climática e inspirar mais pessoas a agirem para salvarem o planeta.

Lançado em Bruxelas na semana passada, o Pacto Ecológico Europeu convida pessoas, comunidades e organizações a contribuírem pro-activamente para o Acordo Verde – o plano da União Europeia (EU) para criar uma economia livre de emissões de gases com efeito de estufa até 2050.

"Como guardião do desporto mais popular do Mundo, a UEFA reitera o seu compromisso para o Pacto Ecológico Europeu", disse Aleksander Čeferin.

Potencial do futebol para mudar mentalidades

"Ao atingir uma audiência europeia na ordem de milhões, o futebol tem o potencial para alterar de forma incrível a mentalidade acerca da alteração climática - um primeiro passo vital para envolver toda a gente na criação de uma economia amiga do ambiente", acrescentou o Presidente da UEFA.

Frans Timmermans, Vice-Presidente Executivo da Comissão Europeia e responsável pelo Acordo Verde, recebeu com agrado o apoio da UEFA.

"Estou muito entusiasmado por poder cooperar com a UEFA para ter ainda mais europeus envolvidos na transição verde", disse Timmermans. "O Pacto Ecológico Europeu reúne cidadãos europeus, negócios e organizações para tomar medidas concretas no combate à crise climática. Apoios em nome do planeta vão mostrar a toda a gente as várias possibilidades de acção."

Três objectivos climáticos

Na quarta-feira, Aleksander Čeferin definiu os planos de acção climática da UEFA, estabelecendo três objectivos:

• Estabelecer objectivos de base científica para medir o progresso contínuo da UEFA na redução da pegada de carbono do futebol europeu;

• Aproveitar a popularidade global das principais competições de elite da UEFA para divulgar uma campanha publicitária televisiva de três anos a promover as medidas do Acordo Verde.

• Colaborar com os principais intervenientes do futebol europeu para garantir a realização de um EURO 2024 amigo do ambiente na Alemanha.

Parceiros de responsabilidade social da UEFA

Para alcançar estes objectivos, a UEFA vai trabalhar de forma próxima com a Comissão Europeia, baseando-se na experiência dos parceiros de responsabilidade social com os quais trabalha: Fundo Mundial para a Natureza (WWF) e a Convenção sobre Alterações Climáticas, das Nações Unidas (UNFCC).

A UEFA também pode contar com o apoio alargado das suas federações-membro e ainda de clubes, ligas, jogadores e parceiros comerciais para garantir que o futebol desempenha o seu papel no cumprimento dos 2050 objectivos traçados pelo Acordo de Paris para baixar as temperaturas globais.

"O futebol europeu vai estar ao lado da UE a liderar o combate às alterações climáticas no continente", disse Aleksander Čeferin, "Vamos fazer tudo ao nosso alcance para ajudar a Europa a tornar-se na primeira economia amiga do ambiente no Mundo".

Philipp Lahm: EURO 2024 amigo do ambiente

Numa declaração transmitida por vídeo, o antigo jogador Philipp Lahm, vencedor do Campeonato do Mundo de 2014 com a Alemanha e Director Operacional do EURO 2024 GmbH, sublinhou o apoio da Federação Alemã de Futebol aos objectivos climáticos da UEFA.

"Enquanto organizadores do Campeonato da Europa da UEFA de 2024, queremos que o torneio seja o mais amigo do ambiente e sustentável na história do EURO", disse Lahm.

Programa de compensação de carbono do EURO 2020

Antes do apoio desta quarta-feira, a UEFA já tinha tomado medidas para compensar as emissões de gases com efeito de estufa geradas pelas suas competições de futebol.

Com base numa análise mostrando que as deslocações representam 75 a 80 por cento da pegada de carbono do futebol europeu, a UEFA implementou um programa de compensação de carbono aplicado às viagens para todos os adeptos que se desloquem para assistir ao EURO 2020 – um torneio que vai contar com 12 países anfitriões.

Para minimizar o impacto climático do EURO, a UEFA estabeleceu uma parceria com a South Pole, uma organização que ajuda empresas e negócios a compensar a sua pegada de carbono investindo em energia renovável e projectos de desenvolvimento em todo o Mundo. A título de exemplo: a UEFA vai fornecer fogões economizadores de energia a comunidades rurais no Ruanda.