O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Antevisão diária do UEFA Futsal EURO: Sérvia - Portugal, Países Baixos - Ucrânia

O primeiro torneio com 16 selecções arranca esta quarta-feira em Amesterdão, com o campeão em título Portugal a abrir a prova frente à Sérvia, ao passo que o anfitrião Países Baixos mede forças com a Ucrânia.

Pany Varelai espera inspirar Portugal rumo à revalidação do título
Pany Varelai espera inspirar Portugal rumo à revalidação do título UEFA via Getty Images

O primeiro UEFA Futsal EURO com 16 selecções arranca esta quarta-feira em Amesterdão, com o campeão em título Portugal a abrir a fase final frente à Sérvia, ao passo que o anfitrião Países Baixos mede forças com a Ucrânia, com ambas as partidas do Grupo A a terem lugar na Ziggo Dome.

Fazemos a antevisão de toda a acção.

Sérbia - Portugal (16h30, Amesterdão)

Quando Portugal deu início ao segundo dia de acção do UEFA Futsal EURO 2018, a sua reputação era a de eterna promessa: um candidato destinado a falhar quando chegada a hora da verdade. A campanha assinada em 2016, que terminou com os fantásticos golos apontados por Ricardinho (e que se tornaram virais) nas derrotas contra a anfitriã Sérvia e a futura campeã Espanha, ilustrou na perfeição essa tendência portuguesa para o vistoso fracasso. Contudo, 15 dias depois, Ricardinho ergueu o troféu em Ljubljana e Portugal sagrou-se campeão da Europa, antes de fazer igualmente a festa no Mundial disputado no ano passado.

Ricardinho diz adeus à selecção de Portugal: os seus pontos altos no Futsal EURO
Ricardinho diz adeus à selecção de Portugal: os seus pontos altos no Futsal EURO

Ricardinho disse adeus à selecção após a conquista desse Campeonato do Mundo, mas Jorge Braz continua a contar com jogadores de eleição como João Matos, Bruno Coelho, Pany Varela e a nova estrela Zicky, embora Cardinal, que estava lesionado em 2018 e igualmente no Mundial, ficou novamente de fora a poucos dias da fase final. A Sérvia, apesar de ter precisado de um "play-off" para se apurar, tem de ser encarada com muito cuidado: no Mundial, em Setembro, colocaram muitos problemas ao Irão e à Argentina, isto antes de cairem por 4-3 nos oitavos-de-final precisamente frente à selecção portuguesa, mas apenas no prolongamento. Contudo, a Sérvia não vai poder contar, entre lesões e doença, com Ninoslav Aleksić, Slobodan Rajčević, Nikola Matijevic, Jovan Lazarevic e Lazar Milosavljević frente a Portugal.

Dejan Majes, seleccionador da Sérvia: "É uma honra poder jogar amanhã contra o actual campeão da Europa e do Mundo, sendo que queremos dar o nosso melhor. Apesar de todas as nossas ausências, queremos continuar a atingir bons resultados em grandes torneios como este. A maior força de Portugal é a sua qualidade indiviudal, mas também são muito fortes do ponto de vista colectivo."

Marko Pršić, capitão da Sérvia: "Portugal tem uma grande equipa com excelente jogadores. Sabemos isso, e perdemos contra eles no último Campeonato do Mundo, ainda que apenas no prolongamento. Jogámos bem nesse jogo e estivemos perto de igualar a sua qualidade. Espero que nos próximos cinco ou seis anos possamos atingir o nível de selecções como Portugal, Brasil ou Argentina."

Jorge Braz, seleccionador de Portugal: "Estamos muito focados, mas cientes de que esta será uma caminhada passo a passo. As expectativas à nossa volta são elevadas, mas fomos nós que as criámos. Esperamos um encontro complicado como no Campeonato do Mundo, mas confiamos naquilo que somos capazes de fazer e é nisso que nos queremos concentrar. Temos de ser Portugal se queremos ter sucesso amanhã e no restante torneio.".

Fábio Cecílio, ala/pivô de Portugal: "Creio que não é muito importante o facto de a Sérvia não poder contar com alguns jogadores. Mesmo com menos opções, é uma equipa de grande qualidade. O mais importante somos nós e aquilo que podemos fazer. Estamos focados em ser competitivos durante os 40 minutos. Temos vindo a trabalhar bem e sabemos bem quais são os pontos forte e fracos da Sérvia. A confiança e a pressão são sempre as mesmas, sendo que isso faz parte do nosso dia-a-dia."

Estatística-chave: A última ocasião na qual o detentor do título disputou o jogo inaugural de um Futsal EURO aconteceu em 2005, quando a então campeã Itália bateu Portugal por 8-3.

Países Baixos - Ucrânia (19h30, Amesterdão)

A selecção dos Países Baixos treina na Ziggo Dome, na segunda-feira
A selecção dos Países Baixos treina na Ziggo Dome, na segunda-feiraANP Sport via Getty Images

A última vez que os Países Baixos acolheram um grande evento de futsal coincidiu com o primeiro Campeonato do Mundo em 1989, quando lograram chegar à final da prova. O facto de esta ser apenas a segunda presença da selecção laranja na fase final do EURO desde 2005 mostra a enormidade da tarefa que tem em mãos para poder igualar esse feito assinado há 33 anos, especialmente num grupo tão difícil. Contudo, as exibições assinadas nos últimos meses nos amigáveis realizados frente à Eslovénia, Itália, Argentina e Portugal demonstraram a capacidade da equipa de Max Tjaden, que perdeu Mo Darri devido a uma lesão nas costas na véspera da fase final.

A Ucrânia foi vice-campeã europeia em 2001 e em 2003, mas já não faz parte do lote de principais favoritos à conquista do torneio: em todas as cinco fases finais de 12 selecções disputadas entre 2010 e 2018 os ucranos passaram da fase de grupos e foram eliminados nos quartos-de-final. A consistência, a experiência e a profundidade do plantel, no entanto, tornam-na a primeira adversária para os anfitriões.

Oualid Saadoun, capitão dos Países Baixos: "Mal podemos esperar pela estreia. Falta apenas um dia. A Ucrânia é uma selecção muito forte e com mais experiência do que nós. Têm um estilo de jogo muito físico. Estamos num grupo complicado, mas acho que nos podemos apurar. Vamos defrontar grandes equipas, pelo que teremos de estar ao nosso melhor nível e ter um pouco de sorte."

Max Tjaden, seleccionador dos Países Baixos: "Faltam pouco mais de 24 horas para o nosso primeiro jogo. Já sabemos há muito tempo que vamos participar neste torneio e por fim chegou a hora de entrar em campo. Estamos um pouco nervosos e a emoção que sentimos é similar à da noite de Natal. Conhecemos bem a Ucrânia e vimos os seus recentes encontros contra a Espanha e o Azerbaijão. É uma grande selecção e esperamos um jogo complicado."

Petro Shoturma, capitão da Ucrânia: "Estamos ansiosos para que chegue o jogo. Quando se defronta a equipa da casa pode ser sempre muito complicado, mas esperamos ser bem sucedidos amanhã. Estou emocionado, pois é a primeira vez que sou o capitão da equipa num grande torneio. No entanto, isso também implica uma grande pressão. Não creio que Portugal seja o claro favorito a conquistar este grupo. Vimos os seus últimos jogos, especialmente o amigável frente aos Países Baixos, e vimos que os anfitriões também estão muito fortes."

Oleksandr Kosenko, seleccionador da Ucrânia: "Estamos aqui para jogar futsal e acho que não precisamos de mais nada para nos prepararmos. Estamos aqui para disputar um torneio e isso por si só é suficiente. Estudámos muito bem todos os nossos rivais e, claro está, os Países Baixos. São bons tacticamente e na pressão. Todos os nossos jogadores estão disponíveis e prontos para jogar amanhã”.

Estátistica-chave: A última vitória dos Países Baixos na fase final teve lugar em 2005, quando bateram a anfitriã República Checa por 4-3, dois dias depois de terem perdido por 4-1 contra a Ucrânia; Tjaden jogou nas duas partidas.