UEFA.com escolhe o melhor do UEFA Futsal EURO 2012

Depois de terminada a oitava edição do Campeonato da Europa de Futsal, a equipa de repórteres do UEFA.com escolheu os momentos mais memoráveis do torneio que se realizou em Split e Zagreb.

Nunca tantos adeptos tinham marcado presença num EURO de futsal quanto os croatas
Nunca tantos adeptos tinham marcado presença num EURO de futsal quanto os croatas ©Sportsfile

Gonzalo Aguado: O triunfo dramático da Espanha
Para mim, o melhor momento da Espanha foi certamente o empate da Espanha, a 34 segundos do fim do jogo com a Rússia. A perder por 1-0, o pentacampeão europeu parecia destinado a sofrer a primeira derrota num jogo oficial, excluindo desempates por penalties, desde 2005. Mas depois surgiu o golo de Sergio Lozano, que obrigou a prolongamento, e o resto correu de acordo com o previsto: uma vitória por 3-1 e o sexto título.

Francesco Corda: Stefano Mammarella, o melhor do Mundo
O Futsalplanet.com elegeu-o como Melhor Guarda-Redes do Mundo em 2011, depois de ajudar o ASD Città di Montesilvano C/5 a vencer a Taça UEFA de Futsal. No UEFA Futsal EURO 2012, Mammarella provou de forma cabal o motivo desta escolha. Se as defesas de Ivo Jukić deixaram os adeptos croatas em delírio, as do No1 italiano empurraram a equipa de Roberto Menichelli para o terceiro lugar, à frente dos anfitriões.

Culminou isso no jogo de atribuição do terceiro e quarto lugar, onde marcou um golo e selou o resultado final. Tinha sido elemento preponderante nos restantes jogos, com uma defesa brilhante a um remate desviado de İsmail Çelen, frente à Turquia, outra a negar o golo a Paulinho nos quartos-de-final, frente a Portugal, e impedindo a Espanha de dilatar o marcador na derrota nas meias-finais. Depois de Gianfranco 'Ciccio' Angelini e Alexandre Feller, a baliza "azzurri" continua em boas mãos.

Wayne Harrison: A exibição de Ivo Jukić frente à Ucrânia
O barulho que acompanhou a vitória da Croácia sobre a Ucrânia, nos quartos-de-final, decidida nos penalties, e o papel que Jukić desempenhou nele foram verdadeiramente inesquecíveis. O guarda-redes e capitão croata ajudou a sua equipa a alcançar a fase a eliminar pela primeira vez com algumas defesas vitais na fase de grupos; nos quartos-de-final ergueu a sua reputação até novos patamares ao defender três dos quatro penalties da Ucrânia. E o facto de tudo isso ter acontecido na cidade onde alinha o seu clube, o MNK Split, tornaram as coisas ainda melhores. Um destacável de duas páginas no diário desportivo Sportske Novosti, dedicado aos seus feitos, vai permanecer para sempre como uma agradável recordação de uma noite especial na Spaladium Arena.

Elvir Islamović: o público croata
O futsal está longe de ser o desporto mais popular na Croácia, por isso não sabíamos o que esperar dos exigentes, mas sempre fervorosos, adeptos da casa. Mas desde o primeiro dia que as manchetes não deixavam de referir "o ambiente". Não só foi espectacular como também quebrou recordes, já que três dos quatro primeiros jogos da Croácia anularam a anterior marca do torneio, com 14.300 espectadores a marcarem presença na Arena Zagreb para a meia-final com a Itália.

Mas não foi apenas a equipa da casa − o facto de em qualquer outro jogo do EURO terem estado pelo menos alguns milhares de adeptos em busca de futsal de qualidade impressionou-me ainda mais. Por isso, sim, o futsal não é o desporto mais popular na Croácia, mas a Croácia é um país desportivo e as pessoas sabem reconhecer a qualidade quando a vêem. E isto foi qualidade do mais alto nível.

Dmitri Mamykin: O pontapé-de-bicicleta de Sergei Abramov frente à Turquia
É raro um jogador tentar um pontapé-de-bicicleta no futebol de onze, e ainda mais no futsal. No entanto, isso não impediu o avançado russo Abramov de executar tal gesto acrobático na vitória da finalista frente à Turquia, por 5-0, em jogo do Grupo C.

Uma bola longa parecia destinada a terminar sem destino, mas para espanto do público presente na Spaladium Arena, o avançado de 21 anos do MFK Sinara Ekaterinburg realizou um remate que deixaria Marco van Basten orgulhoso. Mahmut Akbaş estragou o lance perfeito e e defendeu, por isso Abramov voltou a tentar no jogo seguinte, frente à Itália. Finalmente marcou o seu primeiro golo na fase final, frente à Croácia, nas meias-finais, apesar de ter sido de forma mais simples − encostando a bola à boca da baliza.

Paul Saffer: "Apenas" 16 golos em dois jogos
Vou fazer batota e escolher dois jogos emocionantes, mas por motivos muito diferentes. O primeiro foi a vitória da Sérvia sobre o Azerbaijão, por 9-8, que ditou o afastamento dos azeris na fase de grupos, eles que marcaram o golo mais rápido de um EURO, por intermédio de Felipe, aos oito segundos, mas perderam o jogo com mais golos na história do torneio, apesar de terem estado quatro vezes em vantagem. Isso foi extenuante, mas igualmente emotiva foi a vitória da Espanha sobre a Itália, por 1-0, nas meias-finais, através de uma defesa perfeita e pressão sobre o adversário, ao invés de anti-jogo. Foi a prova de que a nova geração pode ser tão dominadora quanto a antiga.

Nuno Tavares: O dia especial de Arnaldo
Portugal acabou por despedir-se nos quartos-de-final, depois de uma derrota por 3-1 frente à Itália, mas antes Arnaldo teve tempo para celebrar a 150ª internacionalização pelo seu país em grande estilo. O capitão recuperou de lesão prolongada a tempo de estar presente na fase final na Croácia, e assinalou o feito com um dos melhores golos do torneio, num remate portentoso que colocou a sua equipa no bom caminho para uma vitória por 2-1 sobre a Croácia e a liderança do Grupo D. A desilusão estava ao virar da esquina para Arnaldo e restantes colegas de equipa, mas a altura era de festa.

Topo