O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Espanha na final e ainda a melhorar

Rafael Usín afirmou que a nova geração de jogadores de Espanha está "cada vez mais forte" depois de a sua equipa ter derrotado a Itália, por 1-0, nas meias-finais, enquanto o Roberto Menichelli não escondeu o orgulho.

Aicardo comemora o golo de Espanha com os adeptos
Aicardo comemora o golo de Espanha com os adeptos ©Action Images

José Venancio López, seleccionador de Espanha
Obviamente que estou muito feliz, porque ganhámos, mas também porque assistimos a um encontro de futsal entre duas equipas que queriam jogar e que procuraram a vitória desde o primeiro minuto. Tenho de felicitar a Itália, que fez um grande jogo. Na primeira parte eles conseguiram ser superiores em certas fases do jogo, mas na segunda fomos muito melhores.

Defendemos bem e eles tiveram de apostar num guarda-redes avançado, mas não permitimos que fizessem muitos remates à baliza. Estou muito satisfeito porque os jogadores fizeram exactamente o que treinámos antes deste desafio.

Rafael Usín, jogador de Espanha
O importante era chegar à final. Jogámos muito bem, praticámos um bom futsal e criámos muitas oportunidades. Não fomos eficazes na concretização, mas temos de salientar os aspectos positivos. Os italianos criaram alguns problemas nos últimos minutos com o guarda-redes avançado, mas nós defendemos bem.

Sabemos que estamos cada vez mais fortes. Hoje superámos definitivamente um possível problema com a mudança de geração. Muita gente considerava que íamos ter dificuldades em atingir a final por terem saído muitos jogadores, mas a Espanha provou que continua a ter grandes executantes e no sábado vamos disputar a nossa quarta final consecutiva.

Robert Menichelli, seleccionador de Itália
Os jogadores estão naturalmente desiludidos porque não conseguimos vencer, mas deram o máximo e ficámos com a certeza que fizemos tudo para ganhar. Infelizmente no futsal podemos ganhar ou perder, mas na memória de todos vai ficar a grande exibição italiana. Quem assistiu ao jogo teve oportunidade de ver que Itália está ao nível de Espanha.

Consentimos um golo numa reposição de bola, mas o resultado esteve equilibrado durante 75 por cento do encontro. A Espanha criou mais oportunidades, mas o jogo esteve em aberto até final. Considero que não houve grande diferença entre nós e Espanha, o resultado confirma-o. Quero felicitar a Espanha, que é a melhor selecção da Europa, mas nós também jogámos bem e isso é o mais importante.