O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Golo "especial" para Arnaldo

O capitão Arnaldo Pereira falou da emoção sentida após recuperar a tempo de uma lesão para abrir o marcador, ao jogo 150 por Portugal, na vitória de 2-1 sobre a Sérvia.

Golo "especial" para Arnaldo
Golo "especial" para Arnaldo ©UEFA.com

Jorge Braz, seleccionador de Portugal
Sabíamos que tínhamos de ser, como disse antes do jogo, extremamente organizados em todos os momentos. Tivemos uma boa posse de bola, mas quando a perdíamos, sabíamos que tínhamos de ser extremamente organizados. Cometemos alguns erros quando tivemos a bola em nossa posse, são coisas que podem acontecer, mas foram apenas dois ou três, e julgo que vamos continuar a melhorar à medida que o torneio avança. Penso que foi uma exibição extremamente racional, e isso é muito importante numa competição como esta.

Queremos sempre mais, como é óbvio. Estamos satisfeitos com o que fizemos até ao momento, mas queremos sempre melhorar. Amanhã vamos conversar novamente e realizar mais um treino, tudo com o intuito de melhorar, é assim que trabalhamos e como procedemos numa competição. Espero que melhoremos ainda mais nos quartos-de-final, é um tipo de jogo diferente. Mas estou extremamente satisfeito como o que conseguimos até agora.

Gostamos de adversários difíceis, e já defrontámos Rússia e Itália durante a nossa preparação, no início desta época. Conhecemo-los bem, vai ser muito complicado, mas é isso de que gostamos, desse tipo de jogos. Estamos aqui para ganhar.

Arnaldo Pereira, defesa de Portugal
Foi um jogo muito especial e emotivo para mim, já que era o 150º jogo por Portugal, e consegui marcar um golo bonito e importante. Que mais se pode pedir? O mais importante era vencer o grupo, algo que conseguimos, por isso agora podemos relaxar um pouco antes de nos concentrarmos no próximo adversário.

É sempre um privilégio e prazer para mim representar Portugal, pois desde que me sinta em boa condição física quero sempre ajudar o meu país. Tive uma lesão grave e um longo período de recuperação, mas os meus companheiros de equipa foram fantásticos e ajudaram-me a regressar à melhor forma.

Pedro Cary, defesa de Portugal
Para ser sincero, esperávamos mais da Sérvia. Os seus primeiros cinco minutos foram prometedores, mas na segunda parte dominámos o jogo por completo. Quem estava no banco até comentou que os jogadores adversários pareciam apáticos e sem vontade de ganhar o jogo. No que diz respeito à nossa equipa, jogamos sempre para ganhar, mesmo quando um empate é suficiente para cumprir o objectivo, como era o caso hoje.
Jogámos bem e merecemos por inteiro vencer o grupo e continuar em Zagreb. Agora vou para o meu quarto descansar e assistir ao jogo entre Rússia e Itália, já que um deles vai ser o nosso adversário nos quartos-de-final.

João Benedito, guarda-redes de Portugal
Não merecíamos sofrer aquele golo [Ricardinho, de cabeça, fez um auto-golo], especialmente tendo em conta como aconteceu, mas o futsal é assim e o mais importante é que conseguimos reagir e ir em busca da vitória. Graças a Deus isso acabou por acontecer. Era muito importante para nós permanecer em Zagreb, sobretudo porque nesta fase da competição é preciso recuperar muito rapidamente dos jogos anteriores.
Arnaldo é um dos jogadores portugueses mais carismáticos, e mereceu marcar aquele golo fantástico na sua 150ª internacionalização por Portugal.

Aca Kovačević, seleccionador da Sérvia
Hoje assistimos a um jogo totalmente diferente em relação àquele com o Azerbaijão. Jogámos muito bem e estou satisfeito com o desempenho dos jogadores, pois actuaram ao nível de um Campeonato da Europa. Portugal foi um pouco melhor que nós e mereceu vencer, mas agora temos uma motivação muito boa para os quartos-de-final, estamos prontos e sabemos o que podemos fazer.

Este jogo foi diferente, já que frente ao Azerbaijão estávamos sob pressão e era necessário vencer para atingir os quartos-de-final. Hoje jogámos sem pressão e defendemos ao nível que tínhamos estabelecido. É assim que geralmente costumamos defender.