Mundial 2018: Ronaldo volta a embalar Portugal

Um golo de cabeça de Cristiano Ronaldo - o seu quarto em dois jogos neste Campeonato do Mundo – logo aos quatro minutos valeu a Portugal um triunfo suado sobre Marrocos no arranque da segunda jornada do Grupo B.

©Getty Images

Depois o empate na estreia a três bolas frente à Espanha, Portugal somou a sua primeira vitória no Campeonato do Mundo da FIFA de 2018 ao bater Marrocos por 1-0. Cristiano Ronaldo, que tinha marcado os três golos na ronda inaugural, voltou a ser o herói da “Selecção das Quinas”, ao apontar o único golo da partida logo aos quatro minutos.

Portugal voltou a entrar bem no encontro, tal como havia sucedido com a Espanha e chegou ao golo à passagem do minuto quatro. Na sequência de um pontapé de canto marcado à maneira curta, João Moutinho cruzou para a grande área de Marrocos e Ronaldo surgiu de rompante, vindo de trás, a cabecear de forma fulgurante para o 1-0.

Marrocos, contudo, reagiu bem ao golo madrugador de Portugal e instalou-se no meio-campo contrário sem, ainda assim, conseguir criar lances de real perigo, excepção feita a um cabeceamento de defendido de forma segura por Rui Patrício. E acabou por ser Portugal a ficar perto de chegar ao 2-0, com Ronaldo a isolar, com um grande passe, Gonçalo Guedes. O “camisola 17” português, porém, não acertou bem na bola, permitiu a defesa do guardião marroquino e, a partir daí, a pressão de Marrocos intensificou-se até ao intervalo, com Benatia a chegar ligeiramente atrasado para um desvio que poderia ter valido a igualdade no marcador em cima do minuto 45.

Na segunda parte Portugal conseguiu contrariar um pouco a intensidade da pressão marroquina nos minutos iniciais e Ronaldo ameaçou o 2-0 num remate que saiu muito por cima, mas aos poucos a pressão de Marrocos voltou a intensificar-se e foi crescendo até ao apito final. Aos 57 minutos, só uma defensa extraordinária de Rui Patrício evitou que Belhanda restabelecesse a igualdade e Benatia, num desvio de cabeça na sequência de um livre também ficou perto de marcar.

Até ao apito final Marrocos continuou a pressionar, com Portugal a mostrar dificuldades em sair do seu meio-campo com a bola controlada, apesar de Fernando Santos ter lançado em campo Gelson Martins e Bruno Fernandes, mas o resultado acabou por não sofrer mais alterações.

FIGURA: Rui Patrício

Portugal marcou cedo e teve, depois, de suster a forte pressão exercida por Marrocos em busca do empate. O guarda-redes português nunca vacilou, mostrou segurança, deu confiança à sua defesa e brilou a grande altura ao negar, perto da hora de jogo, o golo a Belhanda com uma intervenção extraordinária.

MOMENTO: Minuto 4

Cristiano Ronaldo voltou a marcar exactamente no mesmo minuto em que havia marcado o seu primeiro golo contra a Espanha. Um golpe de cabeça fulgurante, que não deu hipóteses de defesa ao guarda-redes de Marrocos e acabou por decidir o jogo.

DECLARAÇÕES

Fernando Santos, seleccionador de Portugal

Era importante ganhar, obviamente, e ganhámos. Mas há aspectos que temos de rever, temos de falar. A equipa entra bem no jogo, depois perde o controlo, não consegue ligar os passes. Hoje houve muitos passes errados da nossa parte, má circulação da bola. E quando uma equipa não tem bola, tem de correr, desgasta-se e passa por mais dificuldade. É uma bola de neve.

O resultado é muito importante e a equipa está de parabéns pelo que fez em termos de resultado. Mas, globalmente, em termos de posse de bola estamos com dificuldade. Temos de ser dinâmicos, cansar o adversário. Porque sempre que perdemos a posse de bola, somos nós que temos de andar a correr. Isso vai desgastando. Os jogadores percebem isso. Hoje foram solidários, mas em termos da circulação de bola estamos longe do pretendido.

Cristiano Ronaldo, avançado de Portugal

Sabíamos que íamos jogar contra uma equipa que ia dar tudo por tudo. Entraram bastante fortes e surpreenderam com uma intensidade muito alta. Defendemos bastante bem. Consegui marcar e ajudar Portugal a conquistar os três pontos. Estou contente, foi um momento bonito.

Hervé Renard, seleccionador de Marrocos

Demonstrámos mais uma vez que sabemos jogar futebol. Faltou apenas uma maior eficácia na finalização. Fomos ousados, não jogámos na defensiva contra uma equipa boa no contra-ataque e arriscámos tudo. Infelizmente, não marcámos os golos que deveríamos ter marcado. Mas quem viu o jogo e torcia por Marrocos ficou certamente orgulhoso com o que viu.

Vamos tentar, contra a Espanha, repetir esta exibição que realizámos contra Portugal, mas com mais eficiência no ataque, para terminar esta campanha da melhor maneira possível.

Topo