O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Meinert deliciada com goleada na final

Maren Meinert reconheceu que este foi "o melhor" dos seus três triunfos no Europeu Feminino de Sub-19, depois de ter conduzido a Alemanha a uma goleada sobre a Noruega, em Imola.

Meinert deliciada com goleada na final
Meinert deliciada com goleada na final ©UEFA.com

Após um jejum de quatro anos, a seleccionadora Maren Meinart reconheceu que este foi "o melhor" dos seus três triunfos no Campeonato da Europa Feminino de Sub-19. A Alemanha goleou a Noruega por 8-1, conseguindo o triunfo mais folgado de sempre na final da prova e deixando o norueguês Jarl Torske "envergonhado e humilhado".

Maren Meinert, seleccionadora da Alemanha

Na segunda parte descobrimos, finalmente, a melhor forma de marcar em quase todos os remates que fizemos à baliza. É positivo, porque tínhamos vindo a criar muitas oportunidades, mas com dificuldades em garantir as vitórias. Por vezes é uma questão de sorte. Marcámos cedo na segunda parte e depois fizemos mais três golos em cerca de dez minutos.

Coloquei a Lena Lötzen no ataque, porque ela gosta de se desmarcar por trás da defesa, e apostei na Eunice Beckmann no flanco, porque ela é forte nas situações de um contra um. Durante o encontro rodei várias vezes as jogadoras pelas posições do ataque. A Jennifer Cramer jogou a na zona lateral da defesa porque tem um bom pé esquerdo e é rápida, sendo que considero que foi uma boa aposta.

Foi melhor do que a minha vitória em 2007, porque consegui dois títulos consecutivos quando assumi o comando da selecção e depois fiquei com a sensação que todos os anos tinha a obrigação de chegar à final. Estivemos quatro anos sem atingir a final e foi muito importante voltarmos a conquistar o título. Considero que foi o melhor título porque sei que tivemos de trabalhar muito para o conseguir.

Também gostaria de destacar que estou aqui como seleccionadora, mas a minha adjunta Bettina Wiegmann trabalhou com a equipa durante todo o ano, enquanto eu nem sempre estive no banco. Quero agradecer-lhe pelo grande trabalho que realizou. Ela foi a verdadeira treinadora da equipa este ano, mas é um pouco tímida e nesta altura prefere estar no autocarro da equipa.

Jarl Torske, seleccionador da Noruega
Sentimo-nos envergonhados e humilhados. A primeira parte foi aceitável, mas a segunda foi terrível. Não conseguimos travar as nossas adversárias. A Alemanha esteve ao seu melhor nível e não conseguimos acompanhar o ritmo e a velocidade das suas jogadoras. Parecia que havia mais alemãs em campo, porque concedemos muito espaço e, depois, não nos movimentávamos suficientemente rápido. Foi uma experiência triste.

Desta vez nunca estivemos perto de empatar [como aconteceu na derrota por 3-1 na fase de grupos]. No final do primeiro jogo disse à Maren que elas mereceram vencer, mas esperávamos jogar melhor, porque sentimos que evoluímos ao longo do campeonato e estávamos motivados. Na segunda parte vivi uma experiência terrível como treinador, porque senti-me impotente, tudo correu mal. Eles estavam permanentemente a pressionar-nos.

Foi a Alemanha no seu melhor, com a capacidade de passe, o talento individual, a força nas jogadas de um contra um. A Alemanha teve um grande mérito neste triunfo. Só lamentamos que não tenha sido possível dar uma maior réplica. Ficámos com a sensação que estragámos a final e este resultado parece que destruiu tudo aquilo que tínhamos feito no Europeu, mas espero amanhã estar mais animado.