Espanha quebra recorde e revalida título

Espanha entrou para a fase final do Campeonato da Europa Feminino de Sub-19 de 2018 como detentora dos títulos europeus femininos de sub-17 e sub-19 e, na Suíça, revalidou esse ceptro de sub-19.

UEFA Women's Under-19 Championship 2018 Final - Germany v Spain
©Sportsfile

Espanha entrou na fase final do Campeonato da Europa Feminino de Sub-19 de 2018, na Suíça, como detentora do troféu e como recém-vencedora do título europeu feminino de sub-17. E em terras helvéticas acabou por conseguir revalidar a conquista desse título de sub-19.

As espanholas dominaram a final contra a Alemanha, em Biel/Bienne, e garantiram o triunfo graças a um livre directo cobrado na perfeição à passagem do minuto 80 por María Llompart – uma das nove jogadoras ainda com apenas 17 anos da bem jovem selecção espanhola presente na Suíça. A vitória permitiu à Espanha tornar-se no primeiro país a conquistar no mesmo ano os títulos europeus femininos de sub-17 e sub-19 e no segundo - depois da Alemanha em 2001, 2002 e 2007 - a revalidar a conquista do ceptro de sub-19.

A explicação para a Espanha – tal como sucedeu com Alemanha, França e Holanda – ter apresentado um plantel tão jovem deveu-se, em grande parte, ao facto de terem preferido convocar as suas principais jogadores do escalão de sub-19 para a fase final do Campeonato do Mundo Feminino de Sub-20 da FIFA, a disputar no mês seguinte na Bretanha.

No Grupo A, as duas selecções que tinham medido forças nas finais de 2016 e 2017, Espanha e França, somaram apenas um ponto entre si na jornada inaugural, com as espanholas a perderam por 2-0 com a Noruega e as francesas a deixarem escapar uma vantagem de dois golos para empatarem 2-2 com a anfitriã Suíça.

A Noruega garantiu o primeiro lugar nesse grupo três dias mais tarde, ao derrotar a França por 1-0 num dia em que a Espanha se encontrou com a boa forma e bateu a Suíça por 2-0. As espanholas ficaram, assim, a depender apenas de si na última jornada e um triunfo por 2-1 sobre as norueguesas selou o seu apuramento, de nada valendo à França uma vitória por 3-1 sobre a Suíça.

O equilíbrio foi também a nota dominante no Grupo B. Apesar de não contar com Fenna Kalma, melhor marcadora da qualificação com 13 golos, a Holanda chegou aos três golos de vantagem em apenas meia-hora na estreia ante a Itália, acabando por vencer por 3-1. Já a Alemanha estreou-se com uma vitória por 1-0 sobre a Dinamarca. As holandesas derrotaram, de seguida, as alemãs por 1-0, o mesmo resultado com o qual a Dinamarca bateu a Itália, desfechos que deixaram tudo em aberto para a terceira e última jornada, com as quatro selecções ainda na luta pelo apuramento.

A Alemanha venceu a Itália por 2-0, resultado que contudo não chegava se a Dinamarca somasse sobre a Holanda uma vitória por um golo de diferença que não fosse de apenas 1-0. Quando, ao fim de apenas 20 minutos de jogo, a Dinamarca venceu a Holanda por 2-1, a Alemanha tinha, pois, motivos para estar preocupada, mas um golo de Janni Thomsen acabou por oferecer às dinamarquesas um triunfo por 3-1 e foi assim a Holanda a acabar por ficar pelo caminho – apesar de, tal como todas semifinalistas, ter somado seis pontos na fase de grupos.

A acção seguiu para Biel/Bienne para os jogos a eliminar, debaixo de muito calor. Na primeira das meias-finais, a Alemanha derrotou a Noruega por 2-0, com um golo em cada parte, e na outra meia-final um remate de longe certeiro de Teresa Abelleira permitiu à Espanha superar a Dinamarca.

O jogo decisivo colocou então frente-a-frente a Alemanha - recordista de vitórias na prova com seis triunfos, mas a jogar a sua primeira final desde 2011 – e a Espanha, detentora do troféu. A selecção ibérica - a disputar a sua quinta final consecutiva, registo que constituiu um novo recorde - acabou por levar a melhor e a autora do golo, Llompart, uma das várias jogadoras a estrearem-se em fases finais de competições internacionais neste torneio, afirmou ao UEFA.com: "É o concretizar de um sonho. Estou muito orgulhosa desta equipa. Alcançámos o nosso objectivo e estamos muito, muito felizes. Senti uma grande emoção ao apontar o golo. Parecia que estava a sonhar!"

Topo