Início da hegemonia alemã

A Alemanha bateu a Espanha por 4-2 na primeira final da competição decidida num só jogo, dando assim início ao seu longo reinado como campeã da prova.

Petra Wimbersky brilhou pela Alemanha em 2000
Petra Wimbersky brilhou pela Alemanha em 2000 ©AFP

Na sua terceira edição, o Campeonato da Europa Feminino de Sub-18 cresceu para uma competição de 32 selecções, com uma fase de qualificação dividida por três rondas.

Turquia, Moldávia, República da Irlanda, Islândia, Bélgica, Eslováquia, Escócia e País de Gales ultrapassaram a primeira ronda e juntaram-se às 12 selecções nacionais com entrada directa na segunda ronda. Dessas selecções provenientes da primeira ronda, apenas a Irlanda conseguiu resistir, rumando à terceira ronda de qualificação como vencedora do Grupo B1, disputado na Jugoslávia, no qual a Polónia também seguiu em frente.

A Itália, terceira classificada em 1999, seguiu igualmente para a terceira ronda de qualificação, juntamente com Finlândia e Inglaterra, que anteriormente tinham já atingido os quartos-de-final, e com Suíça. Espanha, Rússia, República Checa e Ucrânia. À sua espera, na terceira ronda de qualificação, encontravam-se a Dinamarca, vencedora da primeira edição, a França, antiga vice-campeã, a Alemanha, a Holanda, a Noruega e a Suécia, campeã em título.

A Espanha, a realizar já a sua melhor campanha de sempre na competição, foi a primeira a apurar-se, superiorizando-se à Noruega graças a uma melhor diferença de golos, num grupo do qual também faziam parte a Inglaterra e a Irlanda. A França bateu Suíça, Jugoslávia e Rússia para seguir em frente, enquanto a Alemanha se apurou sem sofrer qualquer golo diante de Finlândia, Dinamarca e Ucrânia. Estes três apurados foram, curiosamente, os anfitriões dos respectivos grupos, tal como o foi a Suécia, que se qualificou com um registo defensivo imaculado diante de República Checa, Itália e Holanda.

Suécia e Alemanha, campeã e vice-campeã em 1999, entraram com o pé direito no grupo da fase final, batendo, respectivamente, a Espanha por 2-0 e a França por 2-1. Na segunda jornada, a Suécia necessitou de apenas dois minutos para ganhar vantagem diante da Espanha, mas as espanholas reagiram da melhor forma e acabaram por vencer por 3-1, com Laura del Rio a revelar-se a figura do encontro, ao apontar dois golos no arranque da segunda parte.

A Alemanha, por seu lado, somou a sua segunda vitória em dois jogos, batendo a anfitriã França por 3-1, com Petra Wimbersky a assinar o terceiro golo, que selou o triunfo. Um "hat-trick" de Del Rio no espaço de dez minutos ajudou, depois, a Espanha a chegar ao intervalo com uma vantagem de 4-0 sobre a França na terceira jornada e, apesar de as anfitriãs ainda terem conseguido reduzir a desvantagem no marcador para apenas dois golos, as espanholas levaram mesmo a melhor e viram confirmado o seu lugar na final após Alemanha e Suécia empatarem 0-0, resultado que ditou o fim do reinado das suecas como campeãs europeias de sub-18.

Boulogne-sur-Mer havia sido palco do encontro da fase de grupos entre Alemanha e Espanha e voltava agora a receber o embate entre as duas selecções, para a primeira final a um só jogo da história da competição. Jennifer Meier, que tinha apontado o segundo golo das germânicas oito dias antes, colocou a Alemanha na frente à passagem do minuto 13, com Marion Wilmes a ampliar a vantagem perto da meia-hora de jogo.

Del Rio deu esperança à Espanha com um golo à beira do intervalo mas, a 11 minutos do apito final, Sabine Färber, acabada de saltar do banco, fez o 3-1 e Meier selou em definitivo o triunfo alemão ao bisar na partida poucos segundos mais tarde. Del Rio ainda teve tempo para apontar o seu sétimo golo no torneio em três jogos, mas estava definitivamente lançado o longo reinado das alemãs na prova, enquanto a Espanha teria de esperar mais quatro anos para conquistar um troféu a este nível.