Leandra Pereira segue exemplo da família

Leandra Pereira revelou o seu talento único durante o jogo de abertura de Portugal ante a Áustria e, na verdade, não é o único membro da família a dar cartas no futebol feminino.

Leandra Pereira (Portugal)
©UEFA.com

O jogo de abertura de terça-feira entre Portugal e Áustria, rivais do Grupo A, decorria há cinco minutos quando Leandra Pereira espalhou entusiasmo entre o público de Telford com uma mudança de velocidade de encher a vista, seguida de uma audaciosa finta que enganou a marcadora directa.

Estava ali uma jogadora repleta de confiança e talento à altura. Na verdade, a futebolista de apenas 15 anos reconhece a importância da qualidade técnica numa fase tão inicial da carreira, mas ressalva: "Não é o aspecto mais importante do meu futebol. Os superiores interesses da equipa estão primeiro, mas a minha habilidade técnica sempre me ajudou."

A fonte de inspiração de Leandra Pereira vem de casa – a sua irmã mais velha, Regina, é já internacional sénior aos 21 anos. "A minha irmã diz-me e às demais jogadoras da equipa que é preciso ter fé nas nossas capacidades e nunca temer as adversárias, independentemente da reputação que possam ter. Temos apenas de nos manter concentradas no nosso jogo e, espera-se, as coisas vão correr bem", disse.

Basta olhar para o apetite que a extremo portuguesa tem pelo jogo para perceber que a sua dedicação vem desde tenra idade. "Desde criança que me vi a jogar futebol. Gastava todos os tempos livres que tinha a jogar com a minha irmã. Depois, comecei a jogar por uma equipa quando tinha dez anos e as coisas surgiram daí para a frente." Ainda menos surpreendente é a admiração que Leandra Pereira tem por um jogador que dispensa apresentações. "O meu ídolo, que joga na mesma posição, é Cristiano Ronaldo – sempre quis jogar como ele", declarou.

Quando Leandra Pereira não está em correrias pelas faixas, neste Campeonato da Europa Feminino de Sub-17, aproveita para usufruir das magníficas instalações de treino de St George's Park – o centro nacional de treinos da Federação Inglesa de Futebol (FA), onde estão instaladas as oito selecções em competição. "É fantástica esta estrutura da FA. É claro que as jogadoras têm aproveitado, estão encantadas com a oportunidade de trabalhar num sítio tão espantoso", frisou a camisola 11 da selecção lusitana.

No relvado, Portugal acabou travado por um empate sem golos com a Áustria no jogo de abertura do Grupo A. "Foi um jogo extremamente difícil para nós, mas estivemos bem e controlámos o desafio durante longos períodos", constatou Leandra Pereira, que pede agora à equipa que ganhe ânimo. "O único aspecto em que desapontámos um pouco foi no último terço do campo. Temos de estar mais concentradas e confiantes nas nossas capacidades de forma a marcar golos."

Topo