O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Rubio feliz com terceiro lugar

O seleccionador francês mostrou-se satisfeito após ver a sua equipa garantir o terceiro lugar, enquanto o técnico norueguês Tarjei Smågesjø lamentou as oportunidades desperdiçadas.

As jogadoras francesas festejam a vitória sobre a Noruega
As jogadoras francesas festejam a vitória sobre a Noruega ©Sportsfile

A França superou a desilusão da derrota por 4-1 sofrida na segunda-feira, diante da Alemanha, nas meias-finais do Campeonato Europeu Feminino de Sub-17, e bateu a Noruega no encontro de atribuição do terceiro lugar, dando a volta ao resultado graças a dois golos de Anaïs Ribeyra. O seleccionador francês, Paco Rubio, mostrou-se extremamente satisfeito com a forma como a sua equipa melhorou no segundo tempo, enquanto o técnico da Noruega, Tarjei Smågesjø, lamentou as oportunidades desperdiçadas, mas destacou alguns aspectos positivos retirados da participação da sua selecção nesta fase final.

Paco Rubio, seleccionador de França
Estou feliz, em especial pelas raparigas, pois elas mereciam muito este terceiro lugar. Chegaram aqui um pouco cansadas. Algumas delas não jogavam há três semanas. Tivemos uma grande decepção na segunda-feira e queríamos terminar a temporada com uma vitória, ou de outra forma tudo o que havíamos feito ao longo da época cairia no esquecimento. Creio que tivemos alguns problemas no meio-campo durante a primeira parte. Tive de fazer algumas correcções, queria que trocássemos mais a bola e estávamos a apostar demasiado nas bolas altas para o ataque. Quase tudo correu mal no primeiro tempo. Na segunda parte mudámos, reagimos e, apesar de termos sofrido um golo contra a corrente do jogo logo após o intervalo, penso que já tínhamos o jogo nas nossas mãos. As norueguesas também me pareceram algo cansadas.

As sete jogadoras [francesas] que não actuaram na segunda-feira foram esta tarde titulares. Todas mereciam uma oportunidade de jogar, tendo em conta a forma como a temporada correu. Colocámos nelas total confiança. O mais importante é que todas se sintam parte do grupo e que joguem. Tínhamos à nossa disposição uma equipa fantástica e as jogadoras não acusaram a derrota de segunda-feira. Mostraram-se determinadas em provar o seu valor. Temos quatro atletas nascidas em 1993, pelo que estamos já a olhar para o futuro e a fase de qualificação para a próxima edição começa já dentro de poucos meses, com equipas poderosas como a Islândia, Israel ou Alemanha.

Tarjei Smågesjø, seleccionador da Noruega
A primeira reacção é, obviamente, de desilusão. Apesar disso, estou satisfeito com o que alcançámos, e com a primeira parte que realizámos, na qual jogámos muito perto do nosso potencial. A este nível é fundamental aproveitar as oportunidades que se criam, pois um golo pode mudar o jogo. A importância de concretizar as oportunidades criadas, em especial diante de equipas de topo, é mais uma lição que levamos deste torneio.

Dado que tivemos 15 ocasiões de golo e só conseguimos marcar um, o quarto lugar é, obviamente, justo e temos de compreender que temos de desenvolver ainda mais o nosso jogo. Julgo que foi muito bom chegar até aqui, ganhámos muita experiência. O futebol aqui praticado foi de alto nível e, claro, temos o objectivo de voltar a marcar presença na fase final da próxima edição da prova.