O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

UEFA Women's EURO: Jogadoras a seguir nas meias-finais

Escolhemos uma jogadora-chave de cada um dos semifinalistas que pode inspirar as suas equipas a chegar a Wembley.

Georgia Stanway, Stina Blackstenius, Kadidiatou Diani e Alex Popp
Georgia Stanway, Stina Blackstenius, Kadidiatou Diani e Alex Popp UEFA

A Inglaterra defronta a Suécia em Sheffield, na terça-feira, enquanto a Alemanha mede forças com a França, em Milton Keynes, na quarta-feira, na luta por um lugar na final de domingo do UEFA Women's EURO 2022, em Wembley.

Escolhemos uma jogadora de cada selecção que pode ser a estrela das meias-finais.

Georgia Stanway (Inglaterra)

Stanway foi nomeada pela BBC para o prémio Personalidade Jovem do Ano do Desporto em 2016, após as suas exibições pela Inglaterra no EURO Sub-17 Feminino da UEFA e no Campeonato do Mundo de Sub-17 Feminino da FIFA, tendo estado novamente em destaque no Mundial Sub-20 Feminino de 2018. Embora a sua posição habitual seja a médio-ofensivo ou até mesmo a jogar no ataque, na selecção de Inglaterra Stanway é uma das duas médios-defensivas da equipa, ao lado da sua antiga colega de clube no Manchester City, Keira Walsh.

Contratada pelo Bayern pouco antes dessas finais, Stanway foi a Melhor em Campo contra a Áustria na estreia, em Old Trafford. No entanto, foi no prolongamento dos oitavos-de-final, diante da Espanha, que ela realmente deu nas vistas, com corrias velozes e um golo num remate de longe que deu a vitória à anfitriã e mostrou que, em qualquer posição em jogue, o seu instinto goleador continua forte.

Stina Blackstenius (Suécia)

Todos os golos da Suécia

Blackstenius chegou a esta fase final após uma excelente primeira metade da época no Arsenal, mas durante a qual também lutou muito contra lesões. A sua brilhante finalização no último jogo da fase de grupos contra Portugal mostrou que estava totalmente recuperada e, nos quartos-de-final com a Bélgica voltou a ser ameaçadora durante longos períodos, frustrada apenas por um fora-de-jogo e algumas defesas inspiradas da guarda-redes Nicky Evrard.

Há muito que Blackstenius gosta das grandes ocasiões. Nos Jogos Olímpicos de 2016 marcou na surpreendente vitória sobre os Estados Unidos nos quartos-de-final e voltou a festejar no Maracanã no jogo da medalha de ouro contra a Alemanha. Marcou também na final contra o Canadá cinco anos depois, quando a Suécia ficou novamente com a prata. Blackstenius marcou igualmente os golos das vitórias nos oitavos-de-final e nos quartos-de-final do Campeonato do Mundo Feminino de 2019, respectivamente, diante do Canadá e da Alemanha. Será que pode silenciar a assistência em Sheffield?

Alex Popp (Alemanha)

Participar neste EURO Feminino é já uma conquista significativa para Popp, estrela da Alemanha, pois falhou as fases finais de 2013 e 2017 devido lesão (também teria perdido esta edição se tivesse acontecido como inicialmente previsto em 2021). A emoção veio mais tarde quando saltou do banco contra a Dinamarca para marcar o último golo da vitória por 4-0 no encontro inaugural.

Desde então tem sido uma força da natureza; fixou-se no "onze" inicial e marcou nos quatro jogos da Alemanha em Inglaterra, tornando-se mesmo na primeira jogadora a marcar em quatro jogos seguidos no mesmo EURO Feminino (a sua compatriota Heidi Mohr fez o mesmo em três torneios quando o torneio era a eliminar e disputado por quatro equipas. Presença inspiradora, Popp está no caminho certo para conquistar um dos poucos títulos que lhe falta no palmarés.

Kadidiatou Diani (França)

Visão: A finta de Diani

Com sua colega no Paris Saint-Germain, Marie-Antoinette Katoto, afastada do torneio por lesão, Diani está a afirmar-se como a referência do ataque da França. De maneira algo surpreendente, Diani saiu da sua posição no lado direito do ataque para avançado centro no decorrer dos quartos-de-final com os Países Baixos, ao mesmo tempo que Corinne Diacre tentava quebrar os teimosos detentores do troféu.

Rápida e habilidosa, Diani não foge de enfrentar as defesas e transformar uma situação aparentemente pouco promissora numa oportunidade clara para si ou para uma companheiro de equipa.

.