Como foi o arranque dos estreantes no Women's EURO

Cinco selecções, entre elas Portugal, estrearam-se em fases finais do UEFA Women's EURO na primeira jornada, com a Áustria a ser a única a celebrar um triunfo: avaliamos o seu desempenho.

Vicky Losada (Espanha) e Tatiana Pinto (Portugal)
Vicky Losada (Espanha) e Tatiana Pinto (Portugal) ©AFP/Getty Images

BÉLGICA
Como se portou: Estreou-se no com uma derrota por 1-0 frente à Dinamarca, pagando caro o nervosismo inicial ao sofrer o único logo aos seis minutos. As "Diabas Vermelhas" não conseguiram, depois, chegar ao empate, apesar de terem parecido estar à altura das adversárias, bem mais experientes.

Como será a seguir? Quinta-feira as belgas defrontam uma Noruega também ferida por uma derrota na ronda inaugural. A Bélgica derrotou a Noruega por 3-2 num amigável em 2015, pelo que pode muito bem sonhar com nova vitória sobre a selecção nórdica.

©Getty Images

ÁUSTRIA
Como se portou: Surpreendeu ao bater por 1-0 a também estreante Suíça, naquela que foi a primeira vitória de uma selecção principal austríaca (masculina ou feminina) em fases finais de um EURO. Nina Burger foi a figura, ao marcar, bem cedo, o golo da turma orientada por Dominik Thalhammer, com as austríacas a resistirem, a partir daí, à reacção helvética.

Como será a seguir? Apesar de ir agora defrontar a favorita França, na terceira e ultima jornada a Áustria enfrenta a Islândia, num encontro que pode muito bem vencer, pelo que a passagem aos quartos-de-final pode tornar-se mais do que um sonho.

SUÍÇA
Como se portou: Apontada como uma das possíveis surpresas do torneio, viu-se derrotada por 1-0 pela combativa Áustria. "Cometemos demasiados erros", lamentou a seleccionadora Martina Voss-Tecklenburg. "Não foi o resultado que esperávamos."

Como será a seguir? O jogo de sábado com a Islândia será determinante. A Suíça tem de melhorar e, com um embate com a poderosa França na terceira jornada, um triunfo sobre as islandesas é imperativo.

©Getty Images

PORTUGAL
Como se portou: Uma derrota por 2-0 ante a vizinha Espanha não era, certamente, o resultado desejado para a estreia, mas foi ainda assim uma exibição corajosa por parte da selecção portuguesa, uma das menos cotadas em prova. Francisco Neto montou a equipa de forma a tentar frustrar o jogo da Espanha e foi isso que as suas pupilas procuraram fazer. Contudo, a pressão efectuada e a classe das duas jogadoras permitiu à Espanha tirar partido de dois lapsos de concentração de Portugal e garantir a conquista dos três pontos ainda nos primeiros 45 minutos. Portugal melhorou bastante na segunda parte, fazendo frente à selecção orientada por Jorge Vilda, e poderá retirar daí alguma confiança.

Como será a seguir? Vai ser difícil ultrapassar a fase de grupos, sobretudo se olharmos para a força já demonstrada pela Inglaterra neste Grupo D, com a goleada sobre a Escócia. Mas, no futebol, tudo é possível e Portugal vai agora tentar tirar partido do facto de ir defrontar outra estreante, a Escócia, no próximo jogo. Se conseguir somar aí os três pontos, tudo ficará em aberto. Mas o mais importante é o processo de aprendizagem, com vista a sucessos futuros. Mesmo que Portugal não vá mais além, ter estado na Holanda foi já um grande feito.

ESCÓCIA
Como se portou: Fez história ao qualificar-se, mas voltou a fazer história - esta bem menos desejada - ao sofrer no jogo de estreia a maior goleada da história das fases finais do Women's EURO, goleada pela Inglaterra. As escocesas lutaram muito, mas não mostraram armas capazes de lidar com uma adversária que se mostrou letal na finalização.

Como será a seguir? Um triunfo sobre Portugal é imperativo. A Escócia já bateu Portugal num passado recente, pelo que esse triunfo é uma possibilidade; mais difícil será, depois, o embate com Espanha, selecção que afastou as escocesas no "play-off" em 2013.

Topo